http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/06/franciscobarbieri.jpg

Campanha Shopping Popular
Cuiabá, sábado, 17 de novembro de 2018

NOTÍCIA RUIM

Servidor do Estado desaparecido é encontrado morto no Portão do Inferno

DA REDAÇÃO

O helicóptero do Centro Integrado de Operações Áreas (Ciopaer) localizou, no começo da tarde desta quinta-feira (2), o corpo de um homem no Portão do Inferno, no Parque Nacional de Chapada dos Guimarães, em Mato Grosso.

Segundo reportagem do site Midianews, o delegado Luciano Inácio, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que investiga o caso, teria confirmado que o corpo seria do servidor do Cepromat, lotado na Sefaz, Francisco Barbieri Neto, de 29 anos.

De acordo com Midianews, o delegado já entrou em contato com a família da vítima.

A Polícia Civil aguarda um laudo, mas Luciano Inácio afirmou que são mínimas as chances de que o corpo não seja do servidor público.

Francisco estava desaparecido desde o dia 18 de maio.

Ele era concursado, desde 2013, e prestava serviços de Tecnologia de Informação no Governo.

Atualmente, ele estava lotado na Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz).

Conforme o coronel Henrique Santos, do Ciopaer, a DHPP recebeu a informação de um taxista, que, no dia do sumiço, teria deixado Francisco nas proximidades do Portão do Inferno.

“De posse dessa informação, o delegado Luciano Inácio pediu para sobrevoarmos a região. Conseguimos localizar o corpo, com um sobrevoo a baixa altura”, afirmou Santos.

Conforme o coronel, às 15h, o Ciopaer vai retornar ao local para fazer a retirada do corpo.

“Estamos apenas aguardando a perícia”, informou.

O delegado Luciano Inácio, da DHPP, disse que a suspeita é de que Francisco tenha pulado do mirante.

O caso

Conforme um irmão, Frederico Barbieri,  no dia do desaparecimento, Francisco chegou a mandar uma mensagem para o celular da mãe.

“Ele mandou uma mensagem para a minha mãe, que mora no Paraná, dizendo que ia sumir e que não iriamos mais saber dele”, disse.

“Não acreditei que ele sumiria e que pediria exoneração do cargo. Ele ganhava em torno de R$ 8 mil. Não iria abandonar o emprego”, explicou.

No entanto, um dia após a mãe receber a mensagem, Frederico foi até o órgão e constatou que o irmão não havia aparecido para trabalhar e que já havia entrado com o pedido de exoneração.

De acordo com Frederico, desde que passou no concurso, o irmão saiu da casa onde morava com a família, em Várzea Grande, e se afastou totalmente dos familiares. Com informações do Midianews

Veja Mais


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 2 de junho de 2016 às 19:29:16

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *