MATERIAL BOMBA

Ex-governador de MT, Silval Barbosa gravou empresários e políticos em 2014

DIÁRIO DE CUIABÁ

Os vídeos e áudios que o ex-governador Silval Barbosa (PDMB) está disponibilizando ao Ministério Público Estadual e Federal foram gravados a partir de fevereiro de 2014, dez meses antes de terminar a sua gestão à frente do governo do Estado.

Silval gravou encontros em seu gabinete no Palácio Paiaguás e em outros locais onde se reuniu com agentes públicos e empresários.

As gravações se intensificaram ainda mais quando se aproximou a campanha eleitoral de 2014 (maio) e pós-eleição (Novembro de 2014).

Todos os depoimentos de Silval Barbosa nas últimas semanas estão sendo coletados pela promotora de justiça Ana Cristina Bardusco Silva, que atualmente coordena o Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (CIRA) no Estado e que foi responsável pelas informações que culminaram na deflagração da Sodoma em 2015.

O amplo material comprovaria tudo o que o ex-chefe do Executivo mato-grossense vem declarando em seus depoimentos nos últimos dois meses na tentativa de firmar o seu acordo de colaboração premiada que estava dependendo apenas do valor que o ex-governador devolveria aos cofres públicos. Nos últimos dias esse valor ficou fixado em R$ 250 milhões que serão devolvidos em parcelas fixas.

Outra exigência que também foi acatada por Silval Barbosa, foi a confissão de todas as acusações que foram levantadas durante as cinco fases da Operação Sodoma.

A confissão deve ocorrer já no próximo dia 16 de maio, quando a juíza Selma Arruda fará a oitiva com Silval sobre as investigações da quarta fase da Sodoma.

Preso desde setembro de 2015, Silval deve reverter as suas prisões preventivas para uma prisão domiciliar e algumas restrições com tornozeleira eletrônica, entrega do passaporte e apresentação quinzenal junto ao MPE. O acordo dos benefícios se assemelha aos de outros investigados e delatores da Operação Lava Jato.

O doleiro Alberto Youssef, por exemplo, conseguiu o benefício da prisão domiciliar após dois anos e sete meses de prisão preventiva.

Assim como Alberto Youssef, na Lava Jato, Silval Barbosa é considerado peça central das investigações das Operações Sodoma e Seven.

O ex-governador Silval Barbosa também revelou em um dos seus depoimentos que todos os recursos que foram levantados através de desvios e irregularidades para pagamentos a empresários e dívidas de campanha, já haviam sido firmados antes de sua gestão como governador, e que apenas cumpriu o que “herdado”.

Essa parte deverá ser analisada pelo Ministério Público Federal (MPF), devido ao foro privilegiado do ex-governador do Estado e atual ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP), que o antecedeu no comando do Palácio Paiaguás.

Durante os depoimentos junto ao MPF e MPE, também foram revelados outros episódios nada republicanos, durante o período que Silval era vice-governador e governador do Estado (2007-2014).

A relação entre o Executivo e o Legislativo, obras da Copa, programas federais e pagamento de empreiteiras também foram citados.


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 21 de abril de 2017 às 12:01:11
  • 21 de abril de 2017 às 12:00:50

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.