Economia essencial: conhecimento e responsabilidade

EVALDO SILVA

Não adianta fugir dela. Na verdade, quem entende que ela, inevitavelmente, faz parte da vida, vive muito melhor. Refiro-me à Economia. Nos lares, a dona de casa é a nossa referência. Ela sabe que, em época de “vacas magras” onde o “boi gordo” está caro demais, é muito melhor colocar no cardápio da família, uma boa galinhada. A substituição de um produto inflacionado, por outro, mais em conta, nada mais é do que uma simples, porém, eficiente regra básica da economia

Em uma grande empresa, não é muito diferente. A estrutura muda, mas o papel de um gestor que compreenda bem as variáveis do mercado é fundamental para o sucesso ou fracasso daquele empreendimento. Evoluindo um pouco mais nessa linha de raciocínio, o que dizer então do papel de um bom economista para contribuir na administração do país?

Estamos em uma época em que o conjunto de decisões erradas por parte dos gestores públicos eclodiu em uma grande crise financeira que afeta a todos nós. Em todas as esferas. Escrevo este artigo no dia em que se comemora o “Dia do Economista”. Embora não muito evidenciado, o papel desse profissional é imprescindível para o bom andamento financeiro de toda uma sociedade! A participação ativa desse profissional na administração pública é essencial. Senão, vejamos: a viabilidade de projetos econômico-financeiros deve ser realizada obrigatoriamente, por profissionais tecnicamente habilitados, credenciados para exercício de tal função.

O Conselho Regional de Economia de Mato Grosso tem o papel de, além de auxiliar a categoria em diversas situações, também fiscalizar o bom exercício da profissão. Recentemente implantamos no Corecon-MT, o “Corecon Acadêmico.” Foi uma forma de aproximar os estudantes, futuros economistas, do Conselho. Uma forma de contribuir com a Academia na formação de bons profissionais. De profissionais atuantes. E cá pra nós, tendo em vista a atual situação econômica do Brasil, nem preciso destacar muito o quanto precisamos ter economistas inseridos nas decisões que envolvem a gestão pública. Funciona bem com as donas de casa, funciona nas empresas de sucesso. Precisa funcionar para o país!

Evaldo Silva, Presidente do Corecon-MT.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.