CRISE NA SAÚDE

Prefeitos de Mato Grosso decidem não pedir afastamento de Pedro Taques do Governo

DA REDAÇÃO / ASCOM AMM

Os prefeitos decidiram na Associação Mato-grossense dos Municípios, que vão esperar até o próximo dia 30 de novembro, para que o governo do estado faça os repasses constitucionais do ICMS, Fethab e Transporte Escolar, conforme o compromisso feito pelo secretário Chefe da Casa Civil, Max Russi, durante a reunião.

Os prefeitos decidiram não entrar com o pedido de afastamento do governador Pedro Taques junto a Assembleia Legislativa.

A maioria preferiu  esperar até o final deste mês para que o governo repasse os recursos atrasados. 

Com relação a área de Saúde, o débito é bem maior. Os prefeitos também vão aguardar os repasses prometidos e esperam que não haja atrasos.

Os gestores alegam que, com a PEC dos gastos aprovada pela Assembleia Legislativa, o governo estadual terá mais dinheiro em caixa a partir do janeiro para quitar os débitos da saúde e não atrasar mais os repasses.

Conforme Neurilan Fraga que conduziu a assembleia dos prefeitos na AMM, nem ele e nem os prefeitos querem tomar medida extrema, de pedir o afastamento do governador Pedro Taques.

“Ninguem quer cassar o governador, mas chegamos num ponto que não restou outro caminho a não ser debater o assunto. Agora foi dado um prazo pelos prefeitos. Caso o governo não cumpra com os repasses para os municípios, voltaremos a falar sobre este assunto no próximo ano”, adiantou.

Ele frisou que os municípios não estão aguentando esta situação que compromete os serviços prestados á população.

Muitos prefeitos estão com sérias dificuldades de fechar o ano em cumprimento com a Lei de Responsabilidade  Fiscal-LRF.


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 11 de novembro de 2017 às 07:51:40

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.