http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2018/03/MÉDICA-e1520944373836.jpg

Prounim - 12 Fórum de responsabilidade
Cuiabá, quarta, 19 de setembro de 2018

EXERCÍCIO ILEGAL DE MEDICINA

Médica suspeita de participar de morte de prefeito é denunciada por exercício ilegal da Medicina

DA REDAÇÃO / MATO GROSSO MAIS

Divulgação

Após ter sido denunciada pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso pelos crimes de falsidade ideológica e uso de documento falso, por ter apresentado certificado irregular de conclusão de residência médica na especialidade de pediatria, no Hospital Municipal André Maggi, no município de Colniza, uma nova denúncia foi oferecida nesta sexta-feira (9) contra Y.F.C.A.

Desta vez, ela deve responder pelo crime de exercício ilegal da Medicina.

A acusada, que também foi denunciada por participação na morte do ex-prefeito da cidade, Esvandir Antônio Mendes, conhecido como “Vando”, encontra-se recolhida na Penitenciária Ana Maria do Couto May, em Cuiabá.

De acordo com a nova denúncia do MPE, a acusada exercia a profissão de médica sem autorização legal.

Foi apurado que, entre os anos de 2006 a 2007, a denunciada usou documento público falso para obter a transferência do curso de Medicina oferecido pelo InstitutoTocantinense Presidente Antônio Carlos Ltda para a Universidade de Iguaçu (UNIG), no Estado do Rio de Janeiro.

Durante as investigações, o MPE teve acesso a ofícios expedidos pelo Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos Ltda, em julho de 2007, informando à Universidade de Iguaçu (UNIG) que os documentos utilizados pela referida acadêmica para efetivar a transferência foram adulterados grosseiramente.

Além de ter sido reprovada em quase todas as disciplinas do curso, consta na denúncia que ela havia desistido da graduação antes de se transferir para o Estado do Rio de Janeiro.

Ainda, segundo o MPE, em março de 2008, o Reitor da Universidade de Iguaçu expediu Portaria confirmando a desconstituição de colação de grau de Y.F., com a consequente invalidação do Diploma de médica.

O fato foi, inclusive, comunicado ao Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro.

“A denunciada se utilizou o Diploma invalidado, para o exercício ilegal da medicina, no Hospital Municipal André Maggi, entre os anos de 2015 a 2017, laborando, inclusive, no dia em que o então Prefeito de Colniza, Esvandir Antônio Mendes, veio a óbito”, diz a denúncia.

Veja Mais


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 13 de março de 2018 às 09:16:31
  • 13 de março de 2018 às 09:16:05

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *