http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2018/06/60527983_BRASILBRASILIABSB10-08-2016Entrevista-com-o-MInistro-da-Agricultura-Blairo-Maggi-2.jpg

TCE Campanha Radar 2018 Dez
Cuiabá, domingo, 16 de dezembro de 2018

NA MIRA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

STF encaminha ação contra Blairo Maggi pela suposta compra de vaga no TCE-MT

DA REDAÇÃO / MATO GROSSO MAIS

Reprodução

Por maioria, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), em sessão nesta terça-feira (12), declinou da competência no Inquérito (INQ) 4703, no qual o senador licenciado Blairo Maggi (PP-MT), atualmente no cargo de ministro da Agricultura, e o ex-Deputado Estadual e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT), Sergio Ricardo de Almeida, são investigados pela suposta compra de vaga no TCE-MT. Segundo a decisão, o inquérito, em que já houve o oferecimento da denúncia, será encaminhado à primeira instância da Justiça Comum em Mato Grosso.

Segundo o relator, ministro Luiz Fux, no sentido de que, como os fatos investigados são referentes ao período em que Maggi ocupava o cargo de governador de Mato Grosso e Sergio Ricardo o de deputado estadual, a competência do STF para processar e julgar o feito se encerrou. O ministro adotou como fundamento o precedente do Plenário que, ao julgar questão de ordem na Ação Penal (AP) 937, definiu que os parlamentares federais só devem ser julgados no STF em relação a crimes supostamente cometidos no exercício do cargo e relacionados às funções desempenhadas. Acompanharam o voto do relator os ministros Roberto Barroso, Rosa Weber e Marco Aurélio.

O inquérito foi aberto para investigar a suposta prática dos delitos de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva decorrentes de colaboração premiada na qual se noticiou que Maggi e Sergio Ricardo, juntamente com outros agentes políticos de Mato Grosso, teriam feito um acordo para nomear o então deputado estadual para o cargo de conselheiro do TCE. Segundo a Procuradoria-Geral da República, o acordo seria executado por via da “compra” do cargo, ou seja, mediante o pagamento de expressivas quantias em dinheiro (propina) ao então conselheiro ocupante da vaga e interessado na negociação.

Veja Mais


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 13 de junho de 2018 às 13:41:12
  • 13 de junho de 2018 às 09:13:49

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *