http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2018/03/hanseníase.jpg

Cuiabá, segunda, 16 de julho de 2018

CANARANA

Busca ativa detecta 48 novos casos de hanseníase em município

ROSE VELASCO / ASCOM SES-MT 

SES-MT

No primeiro semestre deste ano, a equipe técnica do Escritório Regional de Saúde de Água Boa, com o apoio dos servidores da Vigilância Epidemiológica do município de Canarana, detectou 48 novos casos de hanseníase por meio do projeto busca ativa. A técnica consiste em visitas aos moradores que é realizada pela equipe do Programa Saúde da Família (PSF). Dos 48 novos pacientes em tratamento, dois são crianças.

As visitas técnicas foram realizadas nas seguintes comunidades: Culuene, Garapu, Matinha Serra Dourada e Assentamento Suiá e nas Unidades de Saúde: PSF Bela Vista, PSF Pioneiro, PSF Mutirão, PSF Tropical e PSF União.

“Os novos pacientes passam por avaliação física e dermatológica, já aqueles que já fazem uso de medicamento fazem avalição para acompanhamento da evolução do tratamento”, informam o enfermeiro Lenir Alves do Amaral e a servidora Claudia Rosa de Souza, da Vigilância Epidemiológica.

De acordo com informação da enfermeira e Coordenadora da Vigilância Epidemiológica Alene Silva Vitti, em Canarana estão em tratamento 75 pacientes, de um total de 260 contatos registrados e 159 avaliados. Depois que se iniciou este trabalho, há cerca de seis meses, já foram avaliados 335 pacientes entre moradores da cidade e do interior. Foram manipuladas pomadas hidratantes para os pacientes em tratamento que possuem pele ressecada, um agravante da doença, e que são entregues para aqueles que necessitam sem custo algum.

O projeto de busca ativa nos municípios tem apresentado resultado importante para o Plano Estadual de Enfrentamento da Hanseníase criado pelo governo do estadual e executado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), em parceria com os 16 Escritórios Regionais de Saúde e com os 141 municípios.

“O Plano prevê como prioridades a prevenção e a detecção de pessoas doentes e que vivem à margem da rede pública de saúde sem tratamento e com sérios riscos de sofrerem mutilações, que são consequências da hanseníase”, explicou a coordenadora da Vigilância Epidemiológica.

Veja Mais


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 5 de julho de 2018 às 09:36:19

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *