http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2018/11/604a041421ce831fe48a5fb893d2a275-1.jpg

Campanha Shopping Popular
Cuiabá, segunda, 19 de novembro de 2018

OPERAÇÃO

PF diz que quatro traficantes estão na Bolívia

Midia News

Alair Ribeiro

A Polícia Federal procura por sete acusados de tráfico internacional de drogas alvos da “Operação Escalada”, desencadeada na terça-feira (6). Conforme a PF, quatro deles estão escondidos na Bolívia e três em território brasileiro.

A operação foi deflagrada para desarticular uma organização criminosa que atua tráfico internacional de cocaína.

Foram expedidos 18 mandados de prisão, pela 7º Vara Federal Criminal em Cuiabá, que foram parcialmente cumpridos em Mato Grosso e outros cinco Estados: Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rondônia e Amazonas.

Conforme a Polícia Federal, os nomes dos foragidos não serão divulgados para não atrapalhar nas investigações. No entanto, todos serão incluídos no sistema Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal).

A operação 

As investigações começaram há aproximadamente dez meses e estão baseadas em Cuiabá.

De acordo com as informações da PF, a droga era obtida na Bolívia e trazida para o País a partir da fronteira com Mato Grosso, sobretudo por meio de aeronaves que pousavam em pistas clandestinas em variados pontos do Estado.

Em seguida, a droga era ocultada e embarcada em caminhões em fundos falsos a fim de ser transportadas, tendo como principal destino o Estado de São Paulo.

As investigações concluíram que a quadrilha movimentava grande parte de recursos financeiros. Parte de logística para o transporte da droga era integrada por veículos e aeronaves comprados em nome de pessoas que sequer existem. 

Durante a fase de investigações, foram lavrados oito autos de prisão em flagrante que resultaram na prisão de nove pessoas. 

No total, foram apreendidos 3.716 quilos de pasta base de cocaína, além de uma aeronave bimotor e diversos veículos utilizados no transporte da substância ilícita ou adquiridos com valores provenientes do tráfico.

O nome da operação é em razão de alguns dos principais investigados terem experimentado um grande aumento patrimonial em tempo reduzido sem qualquer ocupação lícita que as justifique, tais como uma cobertura em edifício de luxo e outros imóveis em Cuiabá.

Veja Mais


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 8 de novembro de 2018 às 10:17:49

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *