http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2018/11/giovanni.jpg

Campanha Cuiabá 300 anos Unimed
Cuiabá, terça, 23 de abril de 2019

DÍVIDA

Justiça determina penhora da taça do Mundial de Clubes de 2012 do Corinthians

GE

Daniel Augusto Jr/ Agência Corinthians

A penhora da taça do Mundial de Clubes de 2012 do Corinthians despertou preocupação em parte da Fiel torcida e gozações de rivais.

Por conta da decisão judicial na última quinta-feira, o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, concedeu entrevista coletiva prometendo uma rápida solução. O Instituto Santanense, que cobra uma dívida de R$ 2,4 milhões do Timão e foi o responsável pela ação que resultou na penhora, também se manifestou.

Mas, afinal, o que pode acontecer com um dos troféus mais importantes da história do Timão? Para esclarecer as dúvidas e entender os próximos passos do processo, o GloboEsporte.com apresenta as FAQs, perguntas mais frequentes – o termo vem da expressão inglesa “Frequently Asked Questions”.

O Corinthians corre o risco de perder a taça?

Sim, mas essa possibilidade é muito remota. O clube já indicou que pretende quitar a dívida com o Instituto Santanense nos próximos dias e resolver a pendência.

Mesmo que o Timão não faça o pagamento, há outras formas de evitar a perda do troféu.

Enquanto não há uma resolução, onde ficará o troféu?

A princípio, a taça do Mundial segue de posse do Corinthians, no memorial do clube, no Parque São Jorge.

– O bem penhorado fica vinculado ao processo, mas não há uma apreensão normalmente. Porém, quando há risco de ele sumir, ser extraviado, ou ficar ao relento, o juiz pode determinar um depositário e fazer a apreensão – explica Paulo Henrique Lucon, advogado e professor de Direito da USP.

 

O que o Corinthians pode fazer para não perder a taça?

A reportagem tentou contato com Diógenes Mello, advogado responsável pela defesa do Corinthians no processo, mas ele pediu para não falar.

Se não quiser fazer o pagamento agora, a principal alternativa para o clube é pedir a substituição do bem penhorado. O Timão tampoderia depositar o dinheiro em juízo, oferecer uma garantia bancária, fazer um seguro-garantia, entre outras possibilidades.

Quanto vale a troféu do Mundial?

Essa é uma das questões mais complexas do caso. O professor Paulo Henrique Lucon detalha como é feita a avaliação do bem penhorado:

– O próprio oficial de justiça pode fazer a avaliação, mas em São Paulo normalmente os juízes nomeiam um perito de confiança. Então, é feita uma avaliação de acordo com alguns critérios, como as características do objeto, o material do qual ele é feito, e também a sua importância histórica. Um Fusca 1961, por exemplo, em ótimo estado, vale por ser uma antiguidade, não como um carro qualquer. Há elementos subjetivos e mercadológicos.

A taça será leiloada?

Em último caso, se nada for feito pelo Corinthians, sim. O bem é alienado, levado à leilão e vendido pelo maior lance.

Porém, como explicado anteriormente, essa possibilidade é remota.

Outras taças do clube correm risco de serem penhoradas?

Se o processo avançar e a taça do Mundial for avaliada em menos de R$ 2,4 milhões (valor da dívida do Corinthians com o Instituto Santanense) é possível que outros bens do clube sejam penhorados. Novamente, vale frisar: a chance é remota.

Há precedentes de troféus penhorados. Na petição em que pediu a penhora, o Instituto Santanense citou casos envolvendo o Náutico, no ano passado, e o Londrina, em 1997.

– Há bens impenhoráveis, como imóvel com finalidade de domicílio, onde o devedor mora. Mas taças são penhoráveis, não há problema nenhum – comenta o advogado e professor de Direito da USP Paulo Henrique Lucon.

E se o valor da taça for maior que o valor da dívida?

Caso o troféu seja leiloado por valor superior a R$ 2,4 milhões, o Corinthians receberá a diferença.

Em que fase está o processo?

De execução. Isso significa que a Justiça já reconhece plenamente a existência da dívida, que está em fase de cobrança.

Por que o Corinthians tem essa dívida?

Dez anos atrás, o Instituto Santanense, dono da faculdade Unisantana, processou o Corinthians, alegando que clube dificultava o acesso a alunos e funcionários a um campus que funcionava no Parque São Jorge.

Em 2010, na primeira decisão sobre o caso, o Corinthians foi condenado a indenizar a instituição. Como essa dívida nunca foi paga, o Instituto Santanense continuou insistindo.

A faculdade tentou receber de outra forma?

Sim. Em agosto deste ano, o Instituto Santanense tentou – sem sucesso – bloquear uma parte do dinheuro que o Corinthians receberia pela venda de Rodriguinho ao Pyramids FC, do Egito. No mês passado, o mesmo juiz que penhorou a taça, Luis Fernando Nardelli, determinou o bloqueio de parte da premiação a que o clube teria direito por ter sido vice-campeão da Copa do Brasil. Porém, o Timão recebeu o bônus da CBF antes da ordem judicial.

 


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 9 de novembro de 2018 às 16:14:35

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *