http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2017/12/E25A3064-e1519073589888.jpg

Cuiabá, domingo, 16 de junho de 2019

DRAMA DO FUNCIONALISMO

Governo recorre e pagamento da RGA 2018 deve ficar para gestão de Mauro

Folha Max

GCOM

O Governo do Estado recorreu ao Tribunal de Contas da decisão que “liberou” o pagamento de 2% da Revisão Geral Anual (RGA) referente ao ano de 2018. Na prática, o recurso adia, ainda mais, o pagamento da parcela da revisão.

De acordo com informações, o Poder Executivo não entendeu a “recomendação” do TCE de liberar o pagamento apenas se o Estado regularizar a questão dos duodécimos aos poderes. Os conselheiros apontam que os repasses constitucionais aos poderes constituídos e órgãos autônomos até o dia 20 de cada mês.

Atualmente, os repasses são efetuados no dia 23 subsequente ao de referência. Com isso, gera um impasse no cumprimento da decisão.

Com o recurso, o pagamento da parcela da RGA deve ficar somente para a próxima gestão. Isso porque, o TCE entra em recesso até o dia e, geralmente, questões desta natureza demoram alguns meses.

A polêmica da RGA começou em maio deste ano, quando uma medida cautelar suspendeu o pagamento das parcelas que haviam sido acordadas entre o Governo do Estado e o Fórum Sindical. Uma das alegações é que o acordo previa a RGA de 4,19%, enquanto a inflação para 2017 foi de 2%, ou seja, o funcionalismo teria “aumento real”.

Além disso, o TCE apontou a grande possibilidade do Governo do Estado vir a “estourar” os limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal com salários, além da insuficiência econômica do Poder Executivo. Para o órgão, o aumento da folha de pagamento poderia gerar um “colapso” no Estado, que tem enfrentado problemas na prestação de serviços básicos, como Saúde e Educação.

O Fórum Sindical cobra uma medida efetiva do atual Governo para resolver a questão. Os dirigentes sindicais apontam que o TCE não tem poder de fazer o Estado descumprir a Lei que foi aprovada no ano passado pela Assembleia Legislativa.


Uma resposta para “Governo recorre e pagamento da RGA 2018 deve ficar para gestão de Mauro”

  1. Jair Sayd Ferreira disse:

    O verbo haver é impessoal, portanto não vai para o plural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *