http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/01/whatsapp-image-2019-01-01-at-17.33.52.jpeg

Campanha para todas as mulheres - Unimed
Cuiabá, quarta, 20 de março de 2019

ESTADO EM CRISE

Com dívida de R$ 4Bi com fornecedores, Mendes pede voto de confiança

Flávia Borges

Governo de MT/ Assessoria

O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), pediu um voto de confiança aos fornecedores do estado, apesar da dívida de quase R$ 4 bilhões supostamente deixada pelo governo anterior.

Em carta pública, Mendes diz que tratam-se de empresas e prestadores de serviço dos mais variados segmentos, que mantêm toda a estrutura do Estado em pleno funcionamento e que estão sem receber.

“Contamos com a parceria e que depositem um crédito de confiança em nosso trabalho”, diz o governador.

Ainda segundo ele, as dívidas existentes são desde serviços básicos como limpeza, alimentação e fornecimento de material de expediente, até a compra de medicamentos, locação de viaturas e prestação de serviços médicos e hospitalares.

“Os restos a pagar estão acima da capacidade econômica atual e, por isso, tomamos medidas drásticas e aguardamos a aprovação da Assembleia Legislativa de Mato Grosso”, diz o governador.

Entre as medidas estão o corte no número de cargos comissionados, de gratificação e contratados; a redução de 24 para 15 no número de secretarias e a extinção de seis empresas públicas; a criação da Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual, que estabelece normas de finanças públicas que propiciarão a contenção do deficit financeiro, reequilíbrio entre receitas e despesas e recuperação da capacidade de investimento público; aumento na contribuição do setor do agronegócio, com o novo Fethab, bem como outros ajustes na tributação para a elevação da receita.

Todas essas medidas, conforme o governador, visam o reequilíbrio financeiro do Estado, com a contribuição de todos os setores da sociedade.

“Nossa expectativa é que, se tudo for aprovado na Assembleia, possamos dar início ao processo de reorganização das contas públicas, com a entrada de mais recursos financeiros nos cofres do Estado e a diminuição dos gastos públicos”, afirmou.


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 12 de janeiro de 2019 às 10:59:06
  • 12 de janeiro de 2019 às 10:59:02

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *