http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/01/0b7b6d817311cbc21df01c047a521382.jpg

Shopping Popular
Cuiabá, domingo, 16 de junho de 2019

A praga da corrupção

Reprodução


Renato Gomes Nery

Os fatos são fatos e expressam por si mesmos, não comportando contestações. Algumas classes de funcionários públicos têm um séquito de assessores. E os fatos têm demonstrado, com as exceções devidas, que tal excesso serve para devolver aos detentores de tais cargos parte dos proventos recebidos regiamente pela frondosa equipe. Enfim, as transgressões com o dinheiro público é como um camaleão: tem incontáveis matizes.

O exemplo da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) é emblemático. Contrata o assessor com régio salário e este tem que devolver a metade ao cafajeste do chefe. Esta prática se estende para os parlamentos e tribunais de todo o país. Este é o Brasil brasileiro onde as mágicas e acrobacias servem para uns poucos se fartar com o rico dinheiro público.

Será que os heroicos e privilegiados servidores públicos precisam do séquito de assessores que têm? Quem respondeu, há muito tempo, esta pergunta foi o falecido professor José Vidal. Foi ele alçado, pelo Quinto Constitucional, a desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso. Consta que ao ser empossado somente proveu metade dos cargos a que tinha direito. Isto não impediu que ele fosse um dos mais produtivos juízes de sua época no TJMT.

Como faz falta para a nossa sociedade homens da estirpe do referido e falecido desembargador para mostrar e provar que as soluções existem. Basta que cada um cumpra com seus deveres e obrigações. E que todos são iguais e não existem uns mais iguais que os outros como sentenciou George Orwell, no seu magistral livro que até hoje lidera na lista dos best-sellers: A Revolução dos Bichos.

Na esteira de abusos, como o aqui relatado, está o povo a chafurdar nas filas e mais filas da saúde, dos empregos e do descaso para manter privilégios que engordam as porcas dos abusos da miséria social.

A pátria mãe tão distraída está sendo subtraída por tenebrosas transações como esta aqui relatada. E aproveito os versos do mesmo poeta para encerrar este artigo:

De muito gorda a porca já não anda / De muito usada a faca já não corta / Como é difícil, pai, abrir a porta / Esta palavra presa na garganta….. / Não adianta ter boa vontade… (Chico Buarque).

Renato Gomes Nery é advogado em Cuiabá-MT. E-mail -rgenery@terra.com.br


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 24 de janeiro de 2019 às 17:14:54
  • 24 de janeiro de 2019 às 17:13:57

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *