https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/01/Eduardo-Botelho.jpg

PREPARANDO O RITO

Botelho admite interesse em ser conselheiro do TCE e diz que AL prepara rito

Marcos Lopes da Silva

O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (DEM), admitiu interesse em ser conselheiro do Tribunal de Contas de Mato Grosso. A declaração foi dada ao programa Resumo do Dia. Botelho havia sido questionado sobre o interesse de disputa a Prefeitura de Várzea Grande nas próximas eleições municipais de 2020. “Tem desejo [de ser prefeito], tem de ir para o Tribunal de Contas também, mas vamos com calma ai”, respondeu. De acordo com ele o atual momento é de conhecer os novos deputados e iniciar uma boa legislatura na presidência do parlamento.

O democrata conta que já há na Assembleia uma discussão sobre como deve ser feito o rito para escolha do próximo conselheiro. “Primeiro nós temos que ser comunicados oficialmente e nós não fomos. A hora que nós recebermos isso, nós temos um rito que estamos preparando aqui dentro para passar pela comissão de constituição e justiça, para analisar os documentos, fazer uma analise na vida da pessoa para que o colégio de líderes e o plenário possam decidir isso com a maior tranquilidade, sabendo que está escolhendo uma pessoa que tem capacidade para estar lá”, sustenta.
 
A definição sobre o rito deve sair já na próxima sessão legislativa, marcada regimentalmente para a próxima terça-feira (12). Apesar da confissão de um interesse na vaga, Botelho não apresentou seu nome ao listar os atuais candidatos, mas ressaltou que novos nomes podem surgir.
 
“Existe hoje colocado o nome do deputado Guilherme Maluf (PSDB), do deputado Sebastião Rezende (PSC), do promotor Mauro Zaque, que tem um deputado que está pretendendo indica-lo. São bons nomes ai e pode aparecer outros, mas vai ser com certeza [uma escolha] muito tranquila”, garantiu.
 
A vaga a ser preenchida era ocupada anteriormente por Humberto Bosaipo, ex-deputado estadual. Por decisão do Supremo Tribunal Federal, a Assembleia Legislativa, que é dona da prerrogativa de escolha da vaga, estava impedida de indicar um nome desde 2013. Decisão proferida no final de janeiro autorizou a retomada do processo de escolha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Mais