http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/01/8859324693dba77b2151c1b2ac594493.jpg

Campanha Radar Abril 19
Cuiabá, sábado, 20 de abril de 2019

VEJA O VÍDEO

Engenheiro agrônomo é assassinado com 4 tiros na cabeça

LUIS VINICIUS

Juliano Toledo/ilustração

Imagens do circuito de segurança de uma lanchonete mostra o momento em que o engenheiro agrônomo Silas Henrique Palmieri Maia é assassinado com quatro tiros na cabeça. O crime aconteceu na tarde de segunda-feira (18), na cidade de Porto dos Gaúchos (645 km de Cuiabá). A suspeita é de que a vítima teria cobrado dívida de um produtor rural.

Nas imagens, é possível ver a vítima sentada em uma mesa na companhia de um amigo. Em seguida, o assassino, chega por trás do engenheiro e toca o seu ombro. Sem dizer nada, o criminoso acerta o primeiro tiro no rosto de Silas e depois atira outras vezes na cabeça do engenheiro. A gravação foi cedida pelo site Visão Notícias.

Ferido, Silas cai da cadeira e fica desacordado. Já o assassino foge do local. A suspeita é que ele seja um produtor rural da região. Até a publicação da matéria ninguém havia sido preso.

Ao ver a cena, o amigo de Silas sai correndo. Pessoas que estavam próximas ao local do crime chamaram uma equipe do Corpo de Bombeiros, que foi até o local e encaminhou o engenheiro até o hospital da cidade.

Porém, Silas não resistiu aos ferimentos e morreu a caminho da unidade médica.

O caso está sendo investigador

pela Polícia Civil de Porto dos Gaúchos.

Veja o vídeo

 


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 19 de fevereiro de 2019 às 09:00:37

Uma resposta para “Engenheiro agrônomo é assassinado com 4 tiros na cabeça”

  1. Magali disse:

    Muito triste o aconteceu com esse engenheiro agrônomo. Foi vítima do homicídio doloso e da ganância da empresa que representava. Efetuar cobranças não é, nem nunca foi competência de um engenheiro agrônomo. O que ocorre é que as empresas exploram o máximo que podem essa categoria. As Associações representativas do Engenheiros Agrônomos precisam mudar o olhar para a categoria, que é explorada, na maioria das vezes vítimas de assédio moral. 80% da categoria trabalham para Multinacionais, porém, são contratados pela Unicampo(Cooperativa”), sem direito algum, sem férias, 13 salário etc…., Quando se fala de revenda a situação pior é muito, fazem uma tal de contratação compartilhada, pagando 30% do piso, uma vergonha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *