http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/04/whatsapp-image-2019-04-04-at-02.59.44.jpeg

Shopping Popular
Cuiabá, quarta, 19 de junho de 2019

OPINIÃO

Passou da hora de Arrascaeta ser titular do Flamengo

Cahê Mota

Reprodução

O assunto é palpitante – não à toa o nome de Abel Braga chegou aos trending topics mundiais do Twitter na madrugada de quinta-feira -, mas fica difícil até sugerir a pauta ao Carlos Cereto e sua equipe do “Acabou a Brincadeira”. Será complicado achar alguém que defenda o treinador do Flamengo na insistência em deixar Giorgian De Arrascaeta fora do time titular.

Imagem de Arrascaeta incrédulo no banco de reservas rodou as redes sociais — Foto: Reprodução

Imagem de Arrascaeta incrédulo no banco de reservas rodou as redes sociais — Foto: Reprodução

 

A permanência do uruguaio no banco durante os 90 minutos da derrota por 1 a 0 na quarta-feira para o Peñarol, no Maracanã, pela Libertadores, apenas levou ao ápice um questionamento incessante entre os rubro-negros: por que Arrascaeta não é titular? Decisão injustificável, e sobram argumentos para isso.

A situação devia ser até óbvia: o Flamengo perdeu Lucas Paquetá, destaque de 2018 e vendido a peso de ouro ao Milan, mas trouxe um dos jogadores mais decisivos do Brasil para seu lugar. Pronto! Abriu o caixa, contratou Arrascaeta e manteve o nível do time. Não foi o que aconteceu.

Abel optou por Diego, que terminou o ano em baixa, na reserva, justamente porque Dorival Júnior resolveu escalar Paquetá onde mais rendia e recolocar Arão no time. Ao dar a faixa de capitão, pedir a renovação e prestigiar o camisa 10, Abel arrumou mais um problema do que solução para gerir.

Seja pelo que já produziu na carreira, pelo que produziu até mesmo nas raras oportunidades no Flamengo ou, principalmente, pelo que ainda é capaz de produzir, passou da hora de o uruguaio ao menos ter uma sequência na equipe principal. Porque, é bom lembrar, a verdade é essa: Arrascaeta não teve muita chance entre os titulares até aqui, muito menos sequência.

Desempenho no Flamengo condiz com o restante da carreira:

  • No Flamengo, 12 jogos – 3 gols – Média de 0.25
  • No Cruzeiro, 186 jogos – 49 gols – Média de 0.26
  • Na carreira, 282 jogos – 72 gols – Média de 0.26

Antes de enumerar razões para o camisa 14 ser efetivado o quanto antes na equipe (o Fla-Flu de sábado é uma ótima oportunidade), vamos aos números nestes quase três meses de clube. Utilizado em 12 partidas, Arrascaeta foi titular em oito, sendo que em cinco delas Abel escalou o time B.

Gol do Flamengo! Arrascaeta sobe livre e deixa tudo igual aos 48 do 2º tempo

Gol do Flamengo! Arrascaeta sobe livre e deixa tudo igual aos 48 do 2º tempo

 

Na última vez que começou pelo time principal, foi sacado no intervalo diante do San Jose, na altitude de Oruro, há um mês. Desde então, é difícil até apontar qual seu lugar na fila de oportunidades. Percebeu-se diante do Peñarol que Vitinho e Uribe estão na sua frente.

Vou me ater a cinco argumentos para mostrar que Abelão precisa rever seus conceitos:

1 – Contratação mais cara da história

Os cerca de R$ 80 milhões que o Flamengo pagou pelo meia por si só são suficientes para que o treinador entenda que é necessário ao menos esgotar todas as possibilidades de ele ser titular. Não para jogar pelo nome, mas para justificar tamanho investimento, o maior em uma negociação entre clubes brasileiros. E a verdade é que Arrascaeta praticamente não teve chance de fazer isso.

Arrascaeta é o reforço mais caro da história do Flamengo e também entre clubes brasileiros — Foto: Marcelo Cortes / Flamengo

Arrascaeta é o reforço mais caro da história do Flamengo e também entre clubes brasileiros — Foto: Marcelo Cortes / Flamengo

 

Em um meio no qual se fala tanto em adaptação, sequência e confiança, o que tem sido feito com o uruguaio vai totalmente contra os conceitos. Valorizado financeiramente, Arrascaeta não é valorizado tecnicamente pelo que o fez valer tanto. É papel, sim, do treinador encontrar um lugar na equipe para que ele se sinta à vontade e mostre em campo se merece ou não tal status. Isso ainda não aconteceu. Para piorar, no melhor momento, após um gol decisivo, o uruguaio é relegado ao banco justamente contra seu time de coração. Afeta qualquer autoestima.

2 – Capacidade de criar e acelerar o jogo

Arrascaeta é daqueles jogadores que justificam que “quem corre é a bola”. Por mais que não seja tão veloz, o meia faz com que o jogo transcorra na velocidade para “quebrar linhas” bem postadas e levar a equipe ao ataque. Seus passes verticais e rápidos potencializam a capacidade de jogadores como Bruno Henrique e Gabigol. São água em um oásis de criatividade tão refém de Everton Ribeiro como é o time do Flamengo.

Arrascaeta deixa Gabigol na boa duas vezes para marcar o primeiro gol pelo Flamengo

Arrascaeta deixa Gabigol na boa duas vezes para marcar o primeiro gol pelo Flamengo

Seja aberto pela esquerda ou centralizado, Arrascaeta já demonstrou nas raras oportunidades que teve sua capacidade de criação. Fez três gols, deu uma assistência e quase sempre que esteve em campo foi protagonista dos lances de perigo da equipe.

3 – Estrela em clássicos

O Flamengo tem pela frente uma decisão contra o Fluminense pela semifinal do Carioca, e não há dúvidas de que Arrascaeta é um jogador acostumado a fazer a diferença neste tipo de situação. Pelo Flamengo, foram dois gols em confrontos com o Vasco, dando continuidade a um retrospecto que torcedores de Atlético-MG e América-MG conhecem bem.

Arrascaeta concorre ao Puskas, e Fifa define finalistas dos prêmios de melhor do mundo

Arrascaeta concorre ao Puskas, e Fifa define finalistas dos prêmios de melhor do mundo

 

Com a camisa do Cruzeiro, foram 14 gols em 26 clássicos disputados (12 vitórias, 6 empates e 8 derrotas). Um deles o levou até à disputa do Prêmio Puskas, da Fifa. Por mais que a primeira impressão no Fla-Flu da Taça GB não tenha sido legal, o retrospecto joga a favor.

4 – Decisivo em jogo grande

Não são só os rivais locais que sofrem com a capacidade de aparecer em momentos importantes de Arrascaeta. E o Flamengo sabe bem disso. Na decisão da Copa do Brasil de 2017 e nas oitavas de final da Libertadores de 2018, o uruguaio foi determinante para eliminações do rubro-negro deixando sua marca no Maracanã. Foi a grande figura também das duas finais vencidas pelo Cruzeiro no ano passado: o Mineiro, sobre o Galo, e a Copa do Brasil, quando, depois de viajar 24 horas, foi o herói na conquista sobre o Corinthians.

Os gols de Corinthians 1 x 2 Cruzeiro pela decisão da Copa do Brasil

Os gols de Corinthians 1 x 2 Cruzeiro pela decisão da Copa do Brasil

 

5 – Relógio atrasado para o uruguaio

Abel Braga repete quase como um mantra quando questionado sobre a presença de Arrascaeta no banco que “a hora vai chegar”, e usa como justificativa o fato de que já havia jogadores ocupando a posição na ocasião de sua milionária contratação. Tudo bem, é um argumento. Mas que parece valer somente para o uruguaio.

Gol do Flamengo! Arrascaeta recebe ótimo passe e toca entre as pernas de Fernando Miguel, aos 2' do 2ºT

Gol do Flamengo! Arrascaeta recebe ótimo passe e toca entre as pernas de Fernando Miguel, aos 2′ do 2ºT

 

Quando Rodrigo Caio foi contratado, Léo Duarte era absoluto e incontestável na defesa, mas foi imediatamente sacado. O jovem teve que esperar uma lesão de Rhodolfo para recuperar o espaço. Quando Gabigol chegou, Uribe era titular, com boa reta final de Brasileirão, artilheiro e melhor jogador da Flórida Cup. O que aconteceu? O camisa 9, que o treinador dizia observar para atuar pelos lados, logo ganhou a posição centralizado.

Com Arrascaeta, a lógica não funcionou. E nem era tão lógica assim. Diego terminou a temporada como reserva de Dorival Júnior e, a rigor, voltou à equipe no lugar de Lucas Paquetá, onde caberia também Arrascaeta.

Dito isso, resta esperar que Abel Braga se convença e, enfim, coloque o meia para jogar e mostrar se fará jus ao investimento feito pelo Flamengo ou se realmente merecia o banco. Acredito realmente que a condição de titular seja questão de tempo, mas é bom deixar um alerta também para o torcedor.

Antes da cabeçada certeira e decisiva no clássico do último domingo com o Vasco, Arrascaeta viu o Maracanã esboçar pequenas vaias. É importante o rubro-negro se acostumar: o uruguaio não vai ter tanto a bola nos pés como Diego, não correrá entre ataque e defesa com a disposição de Willian Arão, nem será participativo como Bruno Henrique ou Gabigol.

Por outro lado, será quase sempre decisivo, com passes ou gols, e essa satisfação virá quase sempre acompanhada de boa dose de paciência. Preparados?

*A opinião acima é pessoal e não reflete a opinião do GloboEsporte.com


Uma resposta para “Passou da hora de Arrascaeta ser titular do Flamengo”

  1. paulo josé disse:

    O Abel Braga . não vai fazer o flamengo jogar melhor. joga feio e é retranqueiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *