http://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/04/193e21c0352cec9e3698a4c8990986a6.jpg

Campanha Radar Abril 19
Cuiabá, quinta, 18 de abril de 2019

REGIÃO DO CPA

Ministério Público quer que moradores derrubem casas

Da Redação Leonardo Mauro

Alair Ribeiro

Ministério Público Estadual (MPE), aciona moradores dos bairros Serra Dourada e Pádova, na região do CPA, em Cuiabá, dano ambiental a uma nascente localizada na Rua das Alpínias, antiga Rua das Rosas. o MPE requer, em caráter liminar, a desocupação da área, demolição das construções e retirada de todo e qualquer tipo de entulho existente no local.

O promotor de Justiça Gérson Barbosa explica que a nascente degradada, forma corpo hídrico afluente do Córrego Ouro Fino, pertencente à bacia hidrográfica do Ribeirão do Lipa. O dano ambiental chegou ao conhecimento da 17ª Promotoria de Justiça de Defesa Ambiental, da Ordem Urbanística e do Patrimônio Cultural de Cuiabá, por intermédio do projeto Água para o Futuro.

“De um modo geral o canal está em estado avançado de degradação e sua água possui coloração turva e forte odor devido ao lançamento constante de resíduos sólidos e efluentes domésticos sem tratamento diretamente no canal e nas ruas não pavimentadas do entorno”, afirmou o promotor de Justiça.

O local foi aterrado para a construção de casas, técnicos do projeto, observaram, que na época da cheia, um volume maior de água pluvial e o crescimento da vegetação nas áreas aterradas, indicando resiliência da nascente. Foram identificadas 138 casas construídas no local invadido, sem pavimentação asfáltica, rede pluvial, iluminação pública e tratamento de esgoto. Contudo, a maioria das casas tinha recebido ligação de água e energia elétrica.

“No parecer técnico foi consignado que há diversas construções muito próximas ao córrego, as quais podem provocar um desbarrancamento no futuro, afetando de forma direta a vazão do córrego e até mesmo causando maior degradação na nascente. Além disso, a integridade física dos ocupantes se apresenta ameaçada, pelo fato de estarem ocupando área de risco, imprópria para moradia”, acrescentou Barbosa.

O MPE requer a condenação dos requeridos à regularização do lançamento de seus efluentes, elaboração, aprovação e execução do Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), objetivando a recuperação das áreas de preservação permanente da nascente e do córrego, e na obrigação de indenizar, pelos danos ambientais causados, reversíveis e irreversíveis, em valor a ser apurado pelo Juízo.

Segundo parecer técnico das secretarias municipais de Ordem Pública e de Meio Ambiente, a nascente de número 40 está em uma área verde localizada entre o Residencial Pádova e o Condomínio Vila da Serra V, que possui 61.467 metros quadrados de área e foi invadida para a construção de casas.


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 11 de abril de 2019 às 15:13:48

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *