https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/09/SILVAL.jpg

DEPOIMENTO NA ALMT

Henry culpa Silval por fracasso das OSS na gestão da Saúde

Henry culpa Silval por fracasso das OSS na gestão da Saúde de MT. Foto: Divulgação

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga as Organizações Sociais de Saúde (OSS), deputado Dr. Leonardo (PDT) não descartou a possibilidade de convocar novamente, o ex-secretário de Estado de Saúde e ex-deputado federal, Pedro Henry.

A oitiva com o principal responsável pela implantação do modelo de gestão foi realizada nesta terça-feira (01), na Assembleia Legislativa.

“Ficaram alguns questionamentos para trás, até mesmo por conta do horário que ele tinha que cumprir. Contudo, assim que chegar mais documentos com as informações que precisamos para contrapô-lo, poderemos convocar o ex-secretário de novo. Até porque somente agora que a CPI está com a equipe completa. Vamos analisar e estudar os documentos que estão chegando, para termos subsídios e estarmos munidos com dados técnicos”, informou o deputado.

Nas explicações, Henry defendeu a continuidade do modelo de gestão, alegando que o sistema “é bom e funciona”. O ex-secretário atribuiu a “culpa” ao Governo do Estado, que segundo ele, não cumpriu com os pagamentos e por isso as OSS não funcionavam corretamente.

Considerado o responsável pelas OSS, em Mato Grosso, o ex-secretário disse que optou pela implantação do sistema quando percebeu que o “orçamento aprovado pelos deputados, ano a ano, não daria para pagar os gastos da Pasta nem até setembro”. Ele afirmou que a gestão terceirizada é mais barata que a gestão direta por meio do estado. “Quando você pega um orçamento que não chega nem no final do ano, resta escolher quem vai morrer ou viver (…) O que houve foi o descomprometimento do Estado; se não pagar é claro que não funciona”, alegou.

Dr. Leonardo que é médico e já trabalhou no Hospital Regional de Cáceres questionou sobre os repasses. “Se o Estado falhou no pagamento, isso dá autonomia para as OSS poder bagunçar tudo? Se não pagou é o cidadão que tem que sofrer? Se não era vantajoso para as OSS, por que não rescindiu o contrato?”, questionou.

Para o deputado, a implantação das OSS em Mato Grosso já começou mal; a avaliação e controle dos gastos não foram efetivamente aplicados. “Houve má administração e má aplicabilidade do recurso público”, criticou.

DENÚNCIAS

Sobre a denúncia que o relator da CPI, deputado Emanuel Pinheiro (PR) revelou em relação as próteses, e também, sobre as informações que Henry trouxe em relação aos medicamentos, o presidente Dr. Leonardo disse que poderá convocar o secretário de Estado de Saúde, Marco Bertúlio para prestar esclarecimentos.

A denúncia de Pinheiro aponta que alguns médicos ortopedistas, do Hospital Metropolitano de Várzea Grande, estariam colocando em pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), próteses nacionais e cobrando o valor de importadas, que são mais caras. Na ocasião, Pedro Henry trouxe outra informação sobre a compra de medicamentos, a preços até 300% acima do valor de mercado.

PRORROGAÇÃO E NOVAS OITIVAS

O deputado Dr. Leonardo não descartou a possibilidade de convocar o ex-governador, Silval Barbosa (PMDB). “A CPI já deliberou para a convocação do ex-governador, mas, estamos aguardando alguns documentos que serão encaminhados pelo Ministério Público, para podermos marcar a oitiva”.

O presidente colocou em discussão sobre a prorrogação da CPI, para final de abril. Com três meses de trabalho, Dr. Leonardo afirmou que não será possível concluir as investigações, nos próximos três meses, tendo em vista que o prazo da CPI é 180 dias.

Segundo ele, os trabalhos foram prejudicados por falta de estrutura – falta de materiais físicos e de recursos humanos. “Mas, agora conseguimos montar uma estrutura maior, nossa equipe técnica agora está completa, com contador, economista e advogados. Esses três meses sem a equipe completa atrapalhou muito, por isso solicitamos a prorrogação para final de abril”, informou.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *