https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/09/MAURO-MENDES.jpg

DE MAURO MENDES

Juiz acata pedido e empresas entram em Recuperação Judicial

Mato Grosso Mais

Prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (PSB). Foto: Mato Grosso Mais

O juiz Flávio Miraglia Fernandes autorizou a’ Recuperação Judicial’ das empresas do prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (PSB).

A decisão foi dada nesta segunda-feira (5).

O magistrado  mandou oficiar a decisão à Junta Comercial do Estado de Mato Grosso onde situa-se a sede da recuperanda para que acresça, após o nome empresarial da devedora, a expressão “EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL”.

As quatro empresas de Mendes têm uma dívida declarada no valor de R$ 100 milhões junto a fornecedores e bancos.

Para tentar salvar o patrimônio, o grupo Bipar, do qual Mauro Mendes é presidente licenciado, ingressou com pedido de recuperação judicial no Poder Judiciário.

Por meio de nota, o grupo Bipar explicou que a situação chegou a esse patamar devido a quebras indevidas de alguns contratos e inadimplências.

O grupo ainda justificou que a medida foi tomada para proteger os funcionários.

O grupo Bipara ainda informou que o objetivo dos representantes é utilizar a recuperação judicial para preservar milhares de empregos diretos e buscar o equilíbrio financeiro para saldar as dívidas e seguir com a execução de aproximadamente R$ 200 milhões em contratos.

Na Justiça Estadual, principalmente nas varas cíveis de Cuiabá, a Bimetal, que atua no ramo de projetos, fabricação, instalação e montagem de torres para telecomunicações e energia elétrica é alvo de várias ações de execução de dívidas.

Mauro Mendes é sócio e presidente do grupo, mas está licenciado por ser prefeito de Cuiabá.

A direção do Grupo é comandada por Luís Nespolo.

Ele explica que os motivos que levaram as empresas a recorrerem à recuperação judicial, estão quebras indevidas de alguns contratos e inadimplências, o que gerou prejuízos ao grupo.

O Grupo Bipar também cita entre as causas da dificuldades financeiras a perda de crédito bancário das empresas em função da exposição política do fundador do grupo, Mauro Mendes, especialmente depois da sua inclusão na investigação da Polícia Federal (PF) e Ministério Público Federal (MPF) na Operação Ararath.

O objeto da investigação é um complexo esquema de crimes contra o sistema financeiro e lavagem de dinheiro.

Mauro Mendes foi alvo da 5ª fase da Ararath, deflagrada no dia 20 de maio de 2014 e continua sendo investigado num inquérito sigiloso que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF).

VEJA AQUI A DECISÃO DE FLÁVIO MIRAGLIA FERNANDES:

Juiz concede recuperação judicial para empresas de Mauro Mendes

Foto: Divulgação

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *