https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/09/ufmt-e1564495848837.jpg

UFMT

Professores definem ainda nesta segunda calendário das aulas

Reprodução

Professores da Universidade Federal de Mato Grosso retornaram às salas de aula nesta segunda-feira (19), após 142 dias de greve, considerada a mais longa da história.

O novo calendário acadêmico será definido na tarde de hoje em reunião do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe). O encontro será transmitido pelo portal UFMT.

Na pauta, os conselheiros terão que definir um novo planejamento de ensino conforme o andamento de cada câmpus.

Conforme a assessoria de imprensa da instituição, os calendários são diferenciados, há exemplos como o câmpus de Cuiabá, que ainda não encerrou o primeiro semestre e o de Sinop, que já concluiu e terá que organizar o período das matrículas.

A paralisação deste ano teve várias audiências com secretários da Educação (MEC), porém sem avanços.

Categoria brigava por reajuste de 27% no salário, além da reestruturação da carreira. Entretanto a proposta apresentada pelo governo federal foi um aumento salarial de 10,8% a serem pagos em dois anos.

Para Associação dos Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso (Adufmt), aceitar a proposta significaria um retrocesso para a classe.

Os docentes avaliaram que o grande avanço da greve foi no sentido político. Os diversos debates realizados em palestras e assembleias fortaleceram a luta.

“É nesse momento que a categoria se une e reflete sobre as dificuldades e as questões que permeiam a vida acadêmica, o nosso cotidiano. Nesse momento o professor se torna aluno também e senta aqui, na assembleia, pra debater e aprender”, afirmou o professor Dorival Gonçalves.

Foto: Divulgação

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *