https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/11/33.jpg

ATRÁS DAS GRADES

Acusado de mandar sequestrar e matar empresário é preso pelo GCCO após perseguição em Cuiabá

O Grupo de Combate ao Crime Organizado (GCCO), da Polícia Civil de Mato Grosso, conseguiu prender no final da tarde desta sexta-feira (6), Nilton Cesar da Silva, de 34 anos, após uma perseguição com troca de tiros que começou no bairro Cidade Alta, em Cuiabá.

A perseguição só terminou porque os policiais conseguiram acertar a Saveiro branca em que Nilton estava perder o controle e cair em uma ribanceira perto da Ponte Nova.

Nilton é acusado de mandar sequestrar e ele mesmo matar Douglas Wilson Ramos, de 28 anos.

Nilton e Douglas eram sócios em uma loja de venda de cimentos na estrada do Moinho, na Capital.

A sociedade foi desfeita e no dia 24 de setembro deste ano, Douglas Wilson Ramos foi sequestrado em frente à empresa dele, localizada na estrada do Moinho, e levado por bandidos dentro da sua BMW.

Dias após o sequestro, a família de Douglas procurou à imprensa para fazer apelo pela localização do empresário.

Mas o rapaz teve um final trágico.

Douglas foi assassinado e o seu corpo jogado em um local de fazenda, na região do Distrito da Guia, próximo de Cuiabá.

Nilton, segundo o delegado Flávio Stringueta, que investiga o caso, seria o mandante do sequestro e e autor da morte de Douglas.

O corpo do empresário foi localizado no dia 5 de outubro, segunda-feira, na MT-402, que dá acesso a Fazenda Bom Futuro, zona rural de Cuiabá.

O cadáver já em decomposição foi localizado por funcionários da fazenda que acionaram a Polícia Militar.

Um dos seguranças da fazenda que andava pelo local, encontrou o homem que estava vestido com calça jeans, camisa cinza e sapatênis.

Um exame de DNA realizado mostrou que o corpo se tratava do empresário.

Nilton César da Silva teve prisão preventiva decretada e após ser preso ontem foi ouvido pelo delegado Flávio Stringuetta onde após o interrogatório foi levado ao presídio em Cuiabá.

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *