CLIMA TENSO

Após morte de dois jovens por índios, população destrói sede da Funai em Juína

A seda da Funai em Juína, região norte do Estado, foi parcialmente destruída por moradores da cidade.

A Funai está com tapumes em frente à sede, que está fechada desde ontem (14).

Sob segredo de Justiça, a Polícia Federal de Mato Grosso investiga o duplo assassinato de Genes Moreira dos Santos Júnior e Marciano Cardoso Mendes, que teria sido praticado por índios da etnia enawenê-nawê.

Genes Moreira dos Santos Júnior (à esquerda) e Marciano Cardoso Mendes (à direita) (Foto: Arquivo pessoal)

A expectativa era de que fossem devolvidos vivos, mas os dois rapazes foram executados com tiros de calibre 22.

Os dois foram sequestrados na última quarta-feira (9), quando “furaram” um bloqueio na BR-174 (que faz a ligação de Mato Grosso com Rondônia), onde os índios cobravam pedágio dos motoristas.

Segundo a PF, os índios negaram que tenham praticado o assassinato.

Eles alegaram que encontraram os corpos dentro da reserva indígena.

Os agentes informaram que, na tarde de sábado (1),  o líder indígena Dodoay fez uma ligação telefônica, anunciando a localização dos corpos, que estavam enrolados numa lona plástica.

Diante da informação, agentes federais entraram em contato com a Polícia Civil para providenciar peritos do Instituto de Criminalística e um rabecão para a retirada dos cadáveres.

Os agentes acrescentaram que as suspeitas do assassinato recaem sobre dois índios, que poderão ser indiciados pelo duplo homicídio.

Na quarta-feira, os jovens se dirigiam à cidade de Vilhena (em Rondônia, a 280 km de Juína), numa picape, e não teriam obedecido a uma ordem de parada e teriam atirado contra os índios.

Os índios teriam seguido a picape e cercado o veículo.

Retidos, os dois teriam sido levados para a aldeia.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *