https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/01/garimpeiro300.jpg

PONTES E LACERDA

Após desmoronamento, garimpeiro morre durante escavação em garimpo

Um garimpeiro de 50 anos morreu após desmoronamento no garimpo ilegal na Serra da Borda, em Pontes e Lacerda, a 483 km de Cuiabá, nesta quarta-feira (13).

Ele estava acompanhado com outros homens em um buraco de aproximadamente 30 metros de profundidade e 1,5 metro de largura quando foi atingido por pedras que se soltaram das laterais, segundo boletim de ocorrência registrada na Polícia Civil de Comodoro, a 677 km da capital, pelos companheiros de trabalho.

Francisco Ribeiro dos Santos é de Campo Novo do Parecis, a 397 km de Cuiabá, e tinha ido para o garimpo, que, pelo volume de ouro extraído, ficou conhecido como ‘Nova Serra Pelada’, junto com um grupo de moradores daquela cidade, havia cerca 30 dias.

O desmoronamento, como consta nos relatos de um colega à polícia, ocorreu a aproximadamente 6 metros acima do local onde a vítima estava.

Após o acidente, a testemunha disse ter sido socorrido o garimpeiro com a ajuda de outros companheiros de trabalho.

A testemunha disse ter dado um banho na vítima, que estava suja de terra, e um medicamento para amenizar as dores.

Segundo esse mesmo colega, a vítima pediu para não ser levada para Pontes e Lacerda, cidade mais próxima do garimpo, mas para Campo Novo do Parecis, onde morava.

No caminho, no entanto, Francisco começou a passar mal. Ele estava sendo levado para um hospital em uma caminhonete de um dos colegas.

Como os colegas perceberam que ele tinha ficado insconsciente, pararam e o levaram em um hospital de Comodoro.

Lá, os médicos constaram que ele já tinha falecido. Com isso, os funcionários acionaram a polícia, que ouviu as testemunhas sobre o ocorrido.

O delegado André Ribeiro, que ouviu as duas pessoas que estavam com a vítima, afirmou que o caso vai ser investigado pela Delegacia de Pontes e Lacerda, onde ocorreu o acidente.

“Eles ficaram com medo de socorrê-lo em Pontes e Lacerda e serem presos. Daí queriam o levar para Campo Novo do Parecis”, afirmou.

Segundo ele, Francisco estava junto com outras 10 pessoas também de Campo Novo do Parecis.

Prazo de 30 dias

Até o próximo dia 19, deve ser concluída a desocupação do garimpo.

A Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) informou que, nesta quinta-feira (13), foi feita uma reunião entre as polícias Militar, Civil, Federal, Rodoviária e do Ministério Público Estadual e uma comissão de garimpeiros para negociar a saída.

Na oportunidade, os garimpeiros solicitaram o prazo de 30 dias para esvaziar a área, que vem sendo amplamente explorada desde meados do ano passado.

Ficou acordado que só serão presos os garimpeiros presos com ouro, droga e arma até esta sexta-feira (15), mas que eles devem desocupar a área até o início da semana que vem.

Determinação judicial

No dia 26 de dezembro, foi determinada pela Justiça que o governo do estado e a União apresentassem no prazo de 15 dias, a contar daquela data, um projeto prevendo a desocupação e isolamento do garimpo.

Foto: Polícia Civil/MT

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *