https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/10/josé-riva-dois-dois1.jpg

SITUAÇÃO COMPLIADA

Ex-servidores de José Riva assinam acordo de delação premiada junto ao MPE

Divulgação

Réus na ação penal da operação Metástase do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Contra o Crime Organizado) que aponta desvio de R$ 1,8 milhão dos cofres da Assembleia Legislativa por meio de fraudes na verba de suprimento destinada ao gabinete do ex-deputado José Riva (sem partido), um contador e uma ex-servidora do Legislativo assinaram termo de delação premiada com o Ministério Público Estadual (MPE).

Ambos se comprometeram a colaborar com a Justiça em troca de redução ou até mesmo extinção da pena.

Por conta disso, novos detalhes do esquema fraudulento deverão vir à tona.

A verba de suprimento era um benefício de R$ 8 mil destinado ao gabinete dos parlamentares para compra emergencial de produtos como marmitas e material gráfico.

No entanto, notas fiscais foram fraudadas para justificar gastos do gabinete do ex-deputado José Riva.

O dinheiro servia para pagar propina a vereadores de municípios do interior, sustentar casa de apoio e até pagar despesas pessoais como abastecimento de aeronave e massagista.

O Ministério Público Estadual (MPE) já instaurou inquérito civil para apurar a suspeita de que outros deputados tenham cometido fraudes na verba de suprimentos no período de 2011 a 2015.

O contador é réu pelos crimes de constituição de organização criminosa, peculato e falsidade ideológica, enquanto a ex-servidora responde apenas pelo crime de falsidade ideológica.

Em decisão no dia 21 deste mês, a juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Rosane Arruda, decidiu manter no mesmo processo criminal os dois delatores na mesma ação penal em que figura como réus o ex-deputado José Riva e dois de seus ex-chefes de gabinete que são Geraldo Lauro e Maria Helena Ayres Caramelo.

Atualmente, os três estão presos preventivamente.

José Riva e Maria Caramelo respondem pelos crimes de constituição de organização criminosa, peculato, falsidade ideológica e coação no curso do processo, o que pode lhe render pena de até 45 anos de prisão.

O ex-chefe de gabinete Geraldo Lauro é acusado de constituição de organização criminosa, peculato e falsidade ideológica. Com Diário de Cuiabá

Veja Mais

Um comentário em “Ex-servidores de José Riva assinam acordo de delação premiada junto ao MPE”

  1. JOTA disse:

    É punição e retirada de bens incompatíveis … esperamos que seja feita a nossa vontade, assim na cela com no céu !

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *