https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/09/GAECO-e1458074267353.jpg

TEIA CRIMINOSA

Promotor diz que dinheiro usado para pagar advogados de políticos vem da corrupção

Divulgação

O chefe do Gaeco em Mato Grosso, o promotor Marco Aurélio, disse, em entrevista aos jornalistas, que o dinheiro pago a advogados que fazem a defesa de políticos presos vem do ‘crime’ que deve ter ocorrido na administração pública.

Segundo o promotor, a ajuda financeira (que não é pouca) para soltar um governador corrupto da cadeia vem dos ‘amiguinhos’ desse político, que de alguma forma receberam dinheiro indevidamente durante sua gestão.

Sem citar nomes, de quem seriam esses políticos, e quem seriam esses amigos, Marco Aurélio levantou uma polêmica muito forte.

De que personalidades políticas desviam dinheiro público para amigos, usados como laranjas, para depois, caso precisem, paguem seus advogados para se desvencilhar de alguma pendência judicial.

Em Mato Grosso, pelo menos dois políticos, que já ocuparam cargo eletivo, estão presos no Centro de Custódia de Cuiabá.

O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e o ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Riva (sem partido).

Além de três ex-secretários estaduais: Eder Moraes, Pedro Nadaf e Marcel de Cursi.

Silval, Marcel e Nadaf são acusados de fraude em concessão de incentivos fiscais e estão presos desde setembro do ano passado.

José Riva está preso desde o dia 13 de outubro do ano passado acusado de desvio de dinheiro na Assembleia Legislativa.

E o ex-secretário Eder Moraes está preso desde o dia 4 de dezembro pela Polícia Federal acusado de violar a tornozeleira eletrônica.

Todos os presos citados acima possuem advogados de renome e o serviço desses defensores não é nada barato.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *