https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/01/hansenías.jpg

IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO

Dia Mundial de Combate à Hanseníase será lembrado neste domingo em MT

Neste domingo (31.01), o Ministério da Saúde e as secretarias estaduais e municipais de Saúde vão promover o Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase.

A ação faz parte da programação do Dia Mundial do Hanseniano e tem o objetivo de ampliar o conhecimento da população sobre a doença, destacar a importância do diagnóstico precoce e tratamento oportuno, além de reduzir o preconceito contra a doença.

A hanseníase é hiperendêmica em Mato Grosso, que há mais de 10 anos é o estado com o maior coeficiente de detecção entre os estados brasileiros.

No estado, os índices são de 88 casos para cada 100 mil habitantes, sendo que no Brasil, em 2014, o índice foi de 15,32 casos para cada 100 mil habitantes.

O coordenador do Programa Estadual de Controle da Hanseníase, Cicero Fraga de Melo, explica que a hanseníase tem cura.

A única forma de acabar com a doença é tratar todos os pacientes no tempo certo e examinar todas as pessoas que convivem ou moram com o doente, que correm mais riscos de adquirir a enfermidade.

Cicero destaca que ao longo dos últimos cinco anos a maioria dos casos detectados em crianças foi de multibacilares, o que aumenta o risco do desenvolvimento de neurites e incapacidade física.

As crianças apresentavam algum grau de incapacidade no momento do diagnóstico em 13,9% dos casos. “As ações de busca ativa de casos, em especial do exame de contatos, são de suma importância para o diagnóstico precoce especialmente nas crianças”, destaca.

Em 2015, dez municípios (Água Boa, Alta Floresta, Guarantã do Norte, Novo Mundo, Campo Verde, Rondonópolis, Cuiabá, Várzea Grande, Sinop e Tangará da Serra) concentraram 51% do total de casos.

Em outros 12 municípios (Araguainha, Conquista do Oeste, Dom Aquino, Figueirópolis do Oeste, Indiavaí, Nobres, Nova Nazaré, Novo Santo Antonio, Reserva do Cabaçal, Rondolândia, Santo Antonio do Leste e São José do Povo) nenhum caso foi detectado, o que torna necessário intensificar as ações de busca ativa, campanhas de educação em saúde e de orientação sobre sinais e sintomas para que a população fique atenta e procure o serviço se saúde.

Como medida de reforço para interromper a cadeia de transmissão, o Ministério da Saúde está adotando, em 2016, a terapia preventiva da hanseníase nos contatos de pessoas diagnosticadas com a doença.

A iniciativa é realizada em treze municípios de três estados com alta carga da doença: Pernambuco, Mato Grosso e Tocantins.

A estratégia busca ampliar a cobertura de exames de contatos. Ou seja, a cada novo diagnóstico, o serviço de saúde vai identificar e tratar, no mínimo, 20 contatos, entre pessoas que vivem na mesma casa, na vizinhança e outros contatos sociais. Mesmo sem ter sintomas da doença, a pessoa receberá uma dose única de antibiótico.

A Hanseníase é uma doença que compromete principalmente a pele e os nervos periféricos, provocando manchas, alteração da sensibilidade e inflamação.

É transmitida por meio das secreções das vias respiratórias (nariz e boca) para as pessoas que convivem com o doente não tratado.

Assim que é iniciado o tratamento, os pacientes deixam de transmitir a doença.

Se não for tratada precocemente, pode se tornar grave e gerar deformidades físicas, principalmente nos olhos, mãos e pés.

Ações

Em Mato Grosso os municípios contemplados com os recursos das Ações Inovadoras do Ministério da Saúde foram: Alta Floresta, Cuiabá, Rondonópolis, Sinop e Várzea Grande.

Durante a realização da campanha foram visitados 14.592 domicílios e examinadas 34.614 pessoas.

Entre os examinados 7.542 pessoas com suspeita da doença foram encaminhadas a unidade básica de saúde, sendo confirmados 523 casos novos e 37 casos novos em menores de 15 anos.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *