https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/09/assessoria-vlt-e1534283132799.jpg

DIA 16 DE FEVEREIRO

Acusado de denunciar propina do VLT, Rowles será ouvido por CPI

Divulgação

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Obras da Copa aprovou a convocação de novas testemunhas, entre elas, o ex-governador do Estado, Silval Barbosa, o ex-presidente da Assembleia Legislativa e ex-deputado estadual José Riva e o ex-secretário extraordinário da Copa, Maurício Guimarães.

A data para os depoimentos ainda não foi agendada.

Além dos mesmos, foi aprovada a reconvocação de Rowles Magalhães Pereira da Silva, cuja oitiva ficou agendada para o dia 16 de fevereiro às 9h no auditório Milton Figueiredo na Casa de Leis, não descartada a condução coercitiva, em caso de não comparecimento.

Rowles denunciou, em 2012, um esquema de pagamento de propina referente à licitação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Em entrevista ao site UOL, ele contou que já sabia quem sairia vencedor da licitação com um mês de antecedência.

De acordo com a reportagem, integrantes do governo Silval Barbosa (PMDB) teriam recebido R$ 80 milhões em propina dos três consórcios primeiros colocados na concorrência, para viabilizar o negócio.

Porém, após a publicação da matéria, Rowles teria dito que na verdade foi chantageado pelo repórter, que teria também admitido receber dinheiro para denegrir o VLT.

Os deputados pretendem esclarecer as denúncias e investigam se houve irregularidades no certame do VLT, que já consumiu mais de R$ 1 bilhão dos cofres públicos e não foi concluído.

Convocações

Outros nomes foram convocados como o então Superintendente de Licitação Eduardo Tomiolwashita, responsável pelo processo administrativo de licitação na concorrência pública para a Arena Pantanal.

Ivan Moreira de Almeida à época dos fatos, Membro da Comissão de Licitação e Analista de Desenvolvimento Econômico e Social da SECOPA. O então coordenador de tecnologia da Informação da Agecopa, Luciano Luiz Bigatão também foi convocado.

O diretor de gestão e Tecnologia e Informação do Centro de Processamento de Dados de Mato Grosso, à época dos fatos, Hildeberto Forte Daltro Filho também foi convocado. Bem como, a gerente de aquisições da Agecopa/SEcopa, Ryta de Cassia Pereira Duarte.

O então assessor jurídico da Agecopa, Waldemar Gomes de Oliveira Filho também foi convocado para prestar depoimento à CPI, assim como os engenheiros civis, Edno Martimiano de Carvalho e Gamaliel Cruz Soares, que atuaram na Secopa. Marcos de Deus Griggi foi convocado por ter sido Coordenador de Orçamentos da extinta Secopa.

O representante do Consórcio VLT, Evaldo da Silva Silvestre também foi convocado. Marco Aurelio, diretor de estudos e projetos da Ferconsult também prestará depoimento à CPI.

Claudio Marques de Souza, à época dos fatos, responsável pelo Consórcio Santa Barbara/Mendes Junior.

Eugênio Pabst Vieira da Cunha, engenheiro civil projetista da Empresa Interact. Gilson Ferrucio Pinesso responsável pela AMPA para informar sobre projetos doados.

Ricardo Tomczyk, presidente da Aprosoja que também deve apresentar informações sobre as doações de projetos.

Também foi aprovada convocação de Nívio BrazilCuogheMelhorança, à época dos fatos investigados, proprietário e responsável técnico da Exímia.

João Paulo Curvo Borges foi convocado novamente por ter sido coordenador de obras e fiscal do contrato com o Consórcio Santa Barbara/Mendes Junior, bem como Marcelo de Oliveira e Silva, ex-assessor técnico da Agecopa.

Em tempo, registra-se que a escolha do nome apresentado teve como critério o envolvimento direto do convocado com as obras da Copa do Mundo, não se restringindo as perguntas às responsabilidades até aqui identificadas, podendo ser perguntado sobre qualquer fato objeto desta CPI ou conexo. Com Assessoria

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *