https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/09/martelo-de-juiz.jpg

SUSPEITA DE FRAUDE

Juíza percebe armação para prejudicar empregado e extingue processo

Divulgação

Uma empresa de transporte tentou utilizar a Justiça do Trabalho para prejudicar um trabalhador e pagar um valor abaixo do devido pelas verbas trabalhistas.  Durante a audiência, a juíza percebeu a simulação e extinguiu o processo.

O empresário tentou utilizar de um artifício conhecido como “lide simulada”, no qual as partes usam a Justiça do Trabalho para poder dar aparência de legalidade para uma situação, sem que haja mais discussões a respeito já que ao final se terá uma decisão judicial.

No caso em questão, a empresa, ao invés de rescindir o contrato e pagar todas as verbas que devia, induziu o trabalhador a entrar com uma reclamação na justiça.

Assim, o trabalhador acabaria por aceitar um acordo rescisório em valor menor do que receberia e a empresa seria beneficiada.

A tentativa de fraude teve início quando o dono da empresa pediu que o empregado comparecesse à Justiça do Trabalho para receber as verbas.

Sem desconfiar de nada, o empregado compareceu à 3ª Vara do Trabalho de Cuiabá onde estava marcada uma audiência judicial.

Já no Fórum Trabalhista de Cuiabá, viu pela primeira vez o advogado que o iria representar.

A intenção da empresa era fazer um acordo em juízo, com valor abaixo do devido, que após homologado na justiça, impediria o trabalhador questionar os valores posteriormente.

Durante a audiência, a juíza Carolina Guerreiro verificou que na verdade não existia um litígio entre as partes, já que havia sido a empresa que encaminhou o empregado à Justiça do Trabalho para receber as verbas de sua rescisão.

“Trata-se, portanto, de evidente simulação de litígio, já que o objetivo da ré foi o de obter o pagamento de montante pecuniário com a chancela da homologação judicial, inclusive com quitação do contrato de trabalho pelo obreiro. O Judiciário não pode ser conivente com as conduções ardilosas das partes, que pretendem, por meio da chancela judicial, legitimar condutas fraudulentas”.

O processo foi extinto sem julgamento do mérito.

A empresa não entrou com recurso até o dia 27 de janeiro, último prazo para recorrer da decisão.

O caso foi encaminhado ao Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil, para apuração da conduta dos advogados.  Após o trânsito em julgado, o processo será arquivado.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *