https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/02/INFRAÇÃO.jpg

COMO UM FOGUETE

Dirigindo um Gol, Homem é multado por dirigir a 4.800 km por hora

Quatro dias após a divulgação de que o engenheiro de alimentos Rafael de Andrade, do Distrito Federal, foi multado no Rio de Janeiro por supostamente dirigir a 880 km por hora, o G1 descobriu um novo “recorde de velocidade”.

Em Santa Catarina, o advogado Jucelei Tavares Menezes foi autuado em 2001 por dirigir seu Gol a 4.800 km por hora.

4800.jpg

De acordo com o flagrante feito pelo radar, o advogado estava a quase quatro vezes a velocidade do som – cerca de 1.250 km por hora ao nível do mar.

A multa recebida pelo advogado, no valor de R$ 102,15, foi por excesso de velocidade em frente de um hospital de Blumenau, cidade onde mora. No local, o limite permitido era de 40 km por hora.

Menezes teria passado pela rua com seu Gol modelo especial Rolling Stones duas vezes mais rápido que um Concorde, jato supersônico que saiu de operação em 2003 e que voava entre 2.300 km por hora e 2.600 km por hora.

Na velocidade em que supostamente dirigia, o advogado conseguiria ir de Porto Alegre a Manaus (cerca de 4.600 quilômetros de distância) em menos de uma hora. Um jatinho que viaja a 800 km por hora levaria cerca de cinco horas e meia para fazer o mesmo percurso.

Nem os carros de rua mais rápidos do mundo chegariam a essa velocidade. Segundo Amir Nasr, chefe de uma equipe esportiva de automobilismo, o automóvel de mais rápida aceleração, o Buggatti Veyron Ele, que vai de 0 a 96 km em apenas 2,5 segundos, chega a 407 km por hora.

O advogado disse que não chegou a recorrer da multa. “Disseram que eu tinha que entrar com um recurso. Disse que achava ridículo entrar com recurso. No dia seguinte ligaram para dizer que haviam cancelado a multa”, afirmou.

Menezes guardou a autuação como recordação. “Para mostrar que eu tinha um legítimo Gol ‘bala’”, afirmou. Hoje, ele brinca com o caso. Segundo Menezes, seu “recorde” em relação ao do engenheiro “flagrado” a 880 km por hora (veja o vídeo ao lado) se deve à potência do motor de seu antigo carro. “O meu era 1.6. O dele era 1.0.”

Menezes não tem mais o seu carro de série especial. “Mas foi fácil vender. Ele era muito bom”, disse ao G1.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *