https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/09/maluf-23.jpg

LISTA DA EMPREITEIRA

Maluf apresenta prestação de contas e descarta relação com Odebrecht

Divulgação

Maluf: suspensão de investigação contra servidores efetivos da Assembleia Legislativa

O presidente da Assembleia Legislativa, Guilherme Maluf (PSDB), apresentou a prestação de contas das campanhas eleitorais de 2012 e 2014, na qual mostrou que não recebeu recursos da empreiteira Odebrecht, investigada pela Polícia Federal na Operação Lava Jato.

Em entrevista coletiva concedida na tarde desta quarta-feira (23), na presidência do Poder Legislativo, Guilherme Maluf garantiu que não conhece o presidente, a direção ou funcionários da empreiteira.

“Estou fornecendo à imprensa, a prestação de contas dos anos de 2012 e 2014, e me coloco a disposição para prestar qualquer esclarecimento, inclusive colocando minhas contas pessoais à disposição. Não tenho nenhuma doação da Odebrecht e as minhas prestações de contas foram devidamente aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Não conheço ninguém da Odebrecht, nem diretor, nem presidente e nem funcionário”, afirmou Guilherme Maluf.

O deputado prestou os esclarecimentos em função das reportagens veiculadas na imprensa sobre a inclusão do seu nome como suposto beneficiário de repasses feitos pela empreiteira Odebrecht. Maluf disse que espera a devida apuração do caso.

“Espero que seja feita uma apuração para que não seja mais uma denúncia em vão, e para saber se houve essa doação de recursos e para onde foi feita. Tenho registro de doação de várias construtoras e mostrei hoje que não tive doação da Odebrecht. Também recebi devidamente registrado, recursos do PSDB nacional, não sei de onde vieram esses recursos, isso precisa ser apurado e vou buscar o esclarecimento”, argumentou o deputado.

De acordo com Maluf, o que também pode ter acontecido, é que o PSDB pode ter captado recursos de empresas e depois repassado a doação para a campanha de seus candidatos nos Estados, mas tudo devidamente declarado.

“O partido pode captar recursos e depois distribuir para os seus candidatos, o que era perfeitamente legal nessas campanhas. Mas, também pode ser uma ‘cortina de fumaça’ promovida pelo Governo Federal para afastar esse momento de crise onde enlamearam o país”, avaliou durante a entrevista.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *