https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/04/cordeiro.jpg

RISCO DE PERDER O CARGO

‘Braço armado’ de Silval, Coronel da PM vai ser investigado em PAD

A Controladoria Geral do Estado (CGE) instaurou Processo Administrativo Disciplinar (PAD) para apurar a suspeita de desvio de conduta e infrações disciplinares no serviço público cometidas pelo ex-secretário-adjunto de Administração, coronel José de Jesus Nunes Cordeiro, da Polícia Militar.

Também responderão ao processo administrativo disciplinar a ex-superintendente de Aquisições, Silvia Mara Gonçalves, a ex-coordenadora de Gestão de Contratos, Kamilla Vilela, e o servidor Ademir Soares Guimarães Junior, que acompanhou nos últimos anos diversos pregões eletrônicos.

A suspeita é de que todos tenham atuado irregularmente em procedimentos de licitação do governo do Estado.

Os indícios de irregularidades foram detectados cometidos em, no mínimo, 11 relatórios de auditoria.

Enquanto atuou na gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), José de Jesus Nunes Cordeiro foi preso pela primeira vez em dezembro de 2014, quando foi deflagrada pela Delegacia Fazendária a operação Edição Extra, que apurou a suspeita de um desvio de R$ 44 milhões dos cofres públicos por meio de fraudes em licitação na compra de material gráfico.

Posteriormente, houve mais duas prisões preventivas contra José de Jesus Nunes Cordeiro.

Uma delas é a suspeita de participação em um desvio de R$ 7 milhões dos cofres públicos por atestar ilegalmente a compra de um terreno público que já pertencia ao governo do Estado.

A terceira prisão preventiva se deu no dia 24 deste mês pela suspeita de integrar um esquema de cobrança de propina que variava de R$ 500 mil a R$ 700 mil para a empresa Consignum manter contratos com o governo do Estado.

Por conta disso, Cordeiro segue preso.

Todas as prisões já foram revogadas pelo Judiciário e o ex-secretário responde aos processos e é investigado em liberdade.

As auditorias em contratos do Estado têm sido uma das exigências do governador Pedro Taques (PSDB) desde o inicio de seu mandato, o que veio a ser oficializado em decreto já no seu primeiro mês de mandato, que foi janeiro de 2015.

As auditorias ainda prosseguem neste ano, sendo realizadas pela Controladoria Geral do Estado.

Veja Mais

Um comentário em “‘Braço armado’ de Silval, Coronel da PM vai ser investigado em PAD”

  1. DE disse:

    LI UM LIVRO DE SILMAR COELHO CUJO TÍTULO É. NÃO SE ENVOLVA EM ENCRENCA. UM CIDADÃO DESSE COM UM SALÁRIO EXUBERANTE, AGORA CORRE O RISCO DE PERDER TUDO. OS MIL E POUCOS NA CONTA UM DIA ACABA E AGORA O QUE FAZER.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *