https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/04/fávaro.jpg

COMPRA DE APOIOS

Fávaro entra com ação no TJ e pede para MPE apurar denúncia de Percival Muniz

O vice-governador Carlos Fávaro (PSD) protocolou na tarde dessa segunda-feira (11.04), uma interpelação junto ao Tribunal de Justiça para que o prefeito de Rondonópolis, Percival Muniz (PPS), seja notificado a prestar explicações sobre declarações que teria realizado a semana passada sobre a formação do Partido Social Democrático em Mato Grosso.

Na ação judicial, Fávaro pede que o prefeito responda sobre supostas afirmações realizadas em um grupo de Whatsapp, denominado GW100,  em que caluniou Fávaro e seu assessor Renancildo Soares França, afirmando que o assessoria estaria “ofertando generosas e polpudas doações financeiras para filiar lideranças no interior do Estado”.

A denúncia foi divulgada pelo deputado estadual Max Russi no plenário da Assembleia Legislativa.

O objetivo do vice-governador é conservar e resguardar seus direitos. Fávaro também solicita a apuração dos fatos e se coloca à disposição para que a verdade seja estabelecida.

“Não entrei para política para vagabundagem. As informações são irresponsáveis. Apurados os fatos, exijo que seus autores sejam responsabilizados. O novo jeito de fazer política de forma séria, transparente, de diálogo e compromissada precisa ser respeitado. A sociedade não aceita mais a velha política”, afirmou.

Na manhã desta segunda-feira, Fávaro e Renancildo Franca, acompanhados do advogado Álvaro da Cunha Neto, estiveram no Ministério Público Estadual em audiência com o procurador-geral de Justiça, Paulo Prado.

Fávaro se colocou à disposição para ser investigado, exigindo que os fatos sejam esclarecidos.

Enfatizou que não admite a injustiça que está sendo praticada contra a sua honra e moral e contra de seu assessor.

A assessoria jurídica do vice-governador reforça que todas as medidas judiciais para repelir as calúnias e injúrias proferidas já estão sendo tomadas, tanto na esfera penal, como na cível. São duas interpelações, uma em nome de Fávaro e outra em nome de seu assessor.

“A interpelação realizada é a oportunidade do interpelado, no caso o prefeito Percival Muniz esclarecer em juízo a verdade, ou seja, é a oportunidade do ofensor comprovar o fato”, explicou o advogado Abel Sguarezi.

“Temos a esperança que o fato não tenha sido criado pelo prefeito Percival, pois se foi assim, estará comprovado o crime de calúnia. Por outro lado, seja contra o prefeito ou contra quem quer que tenha criado essa história contra o vice-governador Carlos Fávaro, a assessoria jurídica tomará as demais medidas cabíveis, conforme já autorizado”, concluiu o advogado.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *