https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/04/HAROLDO-ARRUDA.jpg

Impeachment em crise

Quando pronunciamos a palavra crise, logo vem à mente a imagem de uma situação de grande dificuldade.

Toda crise faz parte de um processo que tem começo, meio e fim. Crise em grego significa decisão.

Enquanto um juiz toma decisão pelo tipo de sentença o médico toma decisão pelo tipo de doença.

Mas e o político? Que tipo de prós e contras ele coloca na balança na hora de decidir sobre o impeachment de um presidente?

Todo processo de decisão provoca dúvida, que causa a angústia e o desconforto da escolha.

No entanto, a crise obriga tanto os políticos como seus eleitores a pensarem e decidirem o melhor caminho para ambos.

Em sintonia, o melhor resultado é sempre aquele que cria uma ocasião favorável a maioria, com resultados que geralmente unem e nunca se separam.

O Impeachment da presidente Dilma é um processo que está entre o passado obscuro da corrupção e o apogeu justo e necessário para que a esperança possa ser novamente alcançada neste país.

Ocasião oportuna para que nós eleitores, possamos decidir, durante a votação no Congresso, quem une de quem separa, quem inventa de quem procura e principalmente quem menti de quem sempre  teve boas intenções no sentido de agir a favor do povo e do nosso país.

Os escândalos de corrupção na Petrobras e muitos outros são fatos que não mentem mas podem ser alterados pela palavra.

Miremos nas consequências que hoje destroem as vidas de milhões de brasileiros desempregados, pois só elas têm a capacidade de refletir e indicar a origem de tudo que ficou no passado. Se hoje vivemos em crise é porque um dia ela foi provocada.

Seja por má-fé ou incompetência o fato é que, hoje o brasileiro paga mais pra sobreviver.

No entanto, apesar das dificuldades toda crise é necessária, porque no mínimo ensina e obriga todos nós a pensar.

HAROLDO DE ARRUDA JÚNIOR é professor de Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

 

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *