https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/04/valtenir1-e1500301973111.jpg

EFEITO IMPEACHMENT

PMDB de Tangará da Serra pede expulsão de Valtenir Pereira do Partido

Divulgação

O voto do deputado federal Valtenir Pereira (PMDB) contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) fez eco em Tangará da Serra.

O vereador Niltinho do Lanche (PMDB) protocolou na tarde desta terça-feira (19), um pedido de abertura de expulsão de Valtenir da legenda.

IMG-20160419-WA0051

O pedido deve ser analisado pela Executiva Estadual do PMDB.

O vereador questionou Pereira por ter votado contra o parecer do deputado federal Jovair Arantes (PTB-GO), que autorizou a abertura de afastamento de Dilma.

Valtenir teria ignorado a determinação do PMDB ao votar contra o prosseguimento de impeachment de Dilma para o Senado Federal. O pedido de expulsão foi entregue à presidente da legenda em Tangará da Serra, Edna Campos.

PRESIDENTE DO PMDB DE CUIABÁ DIZ QUE VALTENIR NÃO SERÁ PUNIDO

O deputado federal Valtenir Pereira (PMDB) não vai ser punido pela Executiva do partido por ter votado contra orientação do PMDB, neste domingo (17), ao dizer não ao prosseguimento de abertura do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).

A informação é do presidente do PMDB de Cuiabá, Clóvis Cardoso, que alegou que Valtenir votou ‘pela consciência’.

Segundo Cardoso, membros do PMDB ainda tentaram, em Brasília, demover Valtenir de votar contra o impeachment, mas não conseguiram êxito.

Clóvis Cardoso também alegou que a decisão de Valtenir em manter a sua postura e de ter votado de forma técnica não o atrapalha na condição de ser candidato a prefeito de Cuiabá. “Isso só o deixa mais forte, já que tomou uma posição de esquerda”, disse Cardoso.

Valtenir Pereira foi um dos deputados federais de Mato Grosso que participou da análise da Comissão Especial do Impeachment.

Antes de dar o seu voto para que o relatório fosse levado a Plenário da Câmara Federal, Valtenir se mostrou indeciso quanto à sua posição.

No dia dessa votação, Valtenir disse não, mas a maioria venceu por 37 a 28, sendo o relatório levado à analise pelos 513 deputados federais.

 

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *