https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/10/tcemt-e1505396134463.jpg

FALHAS EM RODOVIA

Empreiteira é condenada pelo TCE a devolver R$ 160 mil aos cofres do Governo

Divulgação

O Pleno do Tribunal de Contas de Mato Grosso julgou como procedente a representação interna proposta pela Secretaria de Controle Externo de Obras e Serviços de Engenharia em desfavor da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), por falhas incompatíveis com a idade do uso da obra realizada na Rodovia MT-388, trecho entre Sapezal e Alto do Sapezal.

Com a decisão, foi determinado à empresa Construtura Sanches Tripoloni Ltda que restitua aos cofres do Estado, com recursos próprios, o montante de R$ 160.156,71, sobre o qual também se aplicou multa de 10% em virtude da constatação de dano ao erário.

Oriunda do Convênio nº 179/200, celebrado entre a Sinfra e a Associação dos Beneficiários da Rodovia Alto Sapezal, a obra tem extensão de 16 km. Citados, os gestores apresentaram documentos comprovando que notificaram a empresa sobre as falhas, e a que mesma permaneceu inerte.

De acordo com o voto do relator, conselheiro substituto Luiz Henrique Lima, cabe ao construtor a responsabilização pelos defeitos nas obras que importem sua ruína, seja parcial ou total, independentemente de culpa.

Com a identificação de falhas pontuais pela equipe de auditoria, em inspeção in loco, constou-se que as irregularidades não foram decorrentes do excesso de peso, como alegado pela defesa da empresa.

“Não há argumentos capazes de afastar a responsabilização da Empresa Construtora Sanches Tripoloni Ltda. pelas patologias apontadas nesta representação de natureza interna”, afirmou o relator.

Assim, durante a sessão ordinária do dia 03 de maio, o conselheiro substituto, Luiz Henrique Lima, além de penalizar a empresa, recomendou à atual gestão da Sinfra que aperfeiçoe o controle e a fiscalização dos repasses estaduais, por meio de convênios, com a capacitação dos fiscais dos convênios.

Também recomendou a reavaliação do modelo de repasses à associações de produtores e a garantia de exigência da devida prestação de contas por parte dos convenentes, com a confecção de projetos básicos de acordo com a finalidade do objeto licitado.

Em seu voto, o relator ainda destacou a necessidade de adoção de política de pesagem e de tráfego nas rodovias estaduais mato-grossenses, para que se possibilite o máximo aproveitamento da vida útil das obras de pavimentação asfáltica. Recomendou-se à Sinfra, igualmente, que realize avaliações periódicas da qualidade das obras após o seu recebimento.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *