https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/05/perminio-pinto.jpg

OPERAÇÃO RÊMORA

Em vídeo, Permínio Pinto diz que desconhecia fraudes ocorridas na Seduc

Divulgação

O ex-secretário de Educação, Permínio Pinto (PSDB), chegou à sede do Gaeco, em Cuiabá, por volta 8h30, desta quarta-feira (11), para dar esclarecimentos sobre a Operação Rêmora, que apura fraudes em licitações e contratos administrativos de obras públicas de construção e reforma de escolas da Secretaria de Estado de Educação (Seduc/MT).

Pinto chegou acompanhado do advogado Válber Melo. Abatido, ele parou para falar com Mato Grosso Mais sobre as investigações.

Segundo Permínio, ele não teve conhecimento da suposta fraude que estava ocorrendo na Pasta.

Ele argumentou que assim que teve conhecimento mandou suspender os pagamentos e exonerar os envolvidos.

Reticente nas respostas, Permínio confirmou que a denúncia chegou ao Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção e logo foi encaminhado à Defaz.

Ele disse que se sentiu feliz ao saber que a juíza Selma Rosane Arruda, da sétima vara criminal, relatou que ele não tinha envolvimento nas fraudes.

Permínio Pinto não quis comentar sobre seu futuro político.

OPERAÇÃO RÊMORA

O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), integrado por promotores de Justiça, delegados de polícia, policiais militares e civis, deflagrou nesta terça-feira (3.05), a Operação Rêmora, a fim de desmantelar uma organização criminosa que atuava em licitações e contratos administrativos de obras públicas de construção e reforma de escolas da Secretaria de Estado de Educação (Seduc/MT).

A organização criminosa, conforme o Gaeco, é composta por três núcleos: de agentes públicos, de operações e de empresários.

O núcleo de operações, após receber informações privilegiadas das licitações públicas para construções e reformas de escolas públicas estaduais, organizou reuniões para prejudicar a livre concorrência das licitações, distribuindo as respectivas obras para 23 empresas, que integram o núcleo de empresários.

Por sua vez, o núcleo dos agentes públicos era responsável por repassar as informações privilegiadas das obras que iriam ocorrer e também garantir que as fraudes nos processos licitatórios fossem exitosas, além de terem acesso e controlar os recebimentos dos empreiteiros para garantir o pagamento da propina.

Já o núcleo de empresários, que se originou da evolução de um cartel formado pelas empresas do ramo da construção civil, se caracterizava pela organização e coesão de seus membros, que realmente logravam, com isso, evitar integralmente a competição entre as empresas, de forma que todas pudessem ser beneficiadas pelo acordo.

O Gaeco, utilizando-se de várias técnicas investigativas, dentre as quais a ação controlada, realizada nos termos da lei n. 12.850/2013, realizou o acompanhamento de todas as etapas das fraudes engendradas pela organização criminosa, produzindo-se provas e identificando-se praticamente todos os envolvidos.

As fraudes no caráter competitivo dos processos licitatórios começaram a ocorrer em outubro de 2015 e dizem respeito a, pelo menos, 23 obras de construção e/ou reforma de escolas públicas em diversas cidades do Estado de Mato Grosso, cujo valor total ultrapassa o montante de 56 milhões de reais.

O Gaeco destacou o papel preponderante de Giovani Belatto Guizardi que foi elencado pela organização criminosa como a pessoa responsável pela arrecadação da propina que era paga pelos empreiteiros com a finalidade de garantir o êxito no recebimento pelas medições subseqüentes das obras contratadas pela Seduc.

Enfatizou, ainda, que ficou devidamente comprovado que após o pagamento por parte da Seduc aos empreiteiros o valor de (inicialmente 5% e posteriormente de 3%) era devolvido a parte da organização criminosa através do arrecadador da propina Giovani Belatto Guizardi.

O Gaeco registrou o apoio incondicional da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso na execução das medidas judiciais que visam o combate a Organizações Criminosas instaladas no seio de nossa comunidade.

Veja Mais

2 comentários em “Em vídeo, Permínio Pinto diz que desconhecia fraudes ocorridas na Seduc”

  1. O ex-secretário me pareceu estar abatido com essa situação

  2. João Coqueiro disse:

    O ex-secretário pareceu estar abatido com essa situação.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *