https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/12/MEDEIROS.jpg

PRESSÃO ARTÍSTICA

Senador de MT diz que “dá sono” discutir decisão de Temer sobre Cultura

Agência Senado

O senador José de Medeiros (PSD), em entrevista a uma rádio de Várzea Grande, disse, na manhã desta segunda-feira (23), que “dá sono” discutir se a decisão do presidente em exercício Michel Temer (PMDB) foi certa ou não sobre a situação da pasta Cultura.

Temer havia definido que o Ministério da Cultura seria uma Secretaria, sem que o secretário da pasta, Marcelo Calero, tivesse status de ministro.

Após manifestações de artistas em várias capitais do país após o anúncio, Temer voltou atrás e manteve o Ministério.

Segundo Medeiros, o país não está preocupado com essa discussão, mas sim em sair da crise.

Otimista, Medeiros comentou que a economia no país já começa a reagir com a mudança de comando no Palácio do Planalto.

“Esse mercado é muito arisco, mas a gente já vê mudanças, com a previsão da queda do dólar”, pontuou.

VOLTA DO MINISTÉRIO DA CULTURA

O secretário nacional de Cultura, Marcelo Calero, disse hoje (21), em nota, após a confirmação de que o Ministério da Cultura será recriado, que o setor é “eixo estratégico para o desenvolvimento do Brasil”.

Calero foi confirmado como novo ministro da pasta e deve tomar posse terça-feira (24).

“É preciso compreender a cultura dentro de uma visão democrática e inclusiva, valorizando a diversidade de nossas manifestações, especialmente as que surgem em nossas periferias. A cultura, que representa o próprio lastro de nossa identidade como nação, deve ser compreendida como eixo estratégico para o desenvolvimento do Brasil”, afirmou.

Calero, que já havia sido escolhido para chefiar a Secretaria Nacional de Cultura, vinculada ao Ministério da Educação (MEC), aproveitou para agradecer ao presidente interino, Michel Temer, a confiança depositada.

“A recriação do Ministério da Cultura indica o protagonismo do setor na sociedade brasileira e reforça o compromisso do presidente Michel Temer com a área. Agradeço a confiança em mim depositada pelo presidente e, de igual forma, as inúmeras mensagens de apoio que recebi da classe artística e dos realizadores”, disse o secretário.

“Espero que minha trajetória na administração pública, em particular no Itamaraty e à frente da Secretaria de Cultura da prefeitura do Rio, possa contribuir para a construção de políticas públicas consistentes e duradouras”, completou o futuro ministro.

Temer decidiu recriar o ministério após a crescente pressão contra a incorporação da pasta ao MEC.

Críticas de artistas e ocupações de prédios vinculados ao ministério em vários estados levaram à decisão, tomada após uma conversa de Temer com o ministro da Educação, Mendonça Filho.

O presidente manifestou a vontade de recriar a pasta, extinta recentemente, e pediu a opinião do ministro, que concordou com a medida. Com ABr

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *