CERCEAMENTO

Defesa de Eder Moares estuda entrar com reclamação no STF contra juiz de MT

A defesa do ex-secretário de Estado de Fazenda, Eder Moraes, patrocinada pelo advogado Ricardo Spinelli, informou ao Mato Grosso Mais que deve entrar com uma reclamação junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) por causa da decisão do juiz federal de Mato Grosso,  Schneider, da 5ª Vara Federal, em decretar a prisão de Eder.

De acordo com Spinelli, Jeferson Schneider indeferiu dois pedidos da defesa.

A defesa queria que a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, responsável pelo sistema penitenciário, respondesse um questionário de 40 perguntas sobre a tornozeleira eletrônica.

O outro pedido foi para que fosse feito uma perícia no equipamento de monitoramento.

“O juiz achou que isso fosse um ato protelatório da defesa e indeferiu”, comentou Ricardo Spinelli.

O advogado também relatou que deve analisar entrar com um pedido de HC junto ao Tribunal Regional Federal.

A prisão de Eder Moraes em dezembro do ano passado foi motivada por causa do mau uso das tornozeleiras.

O ex-secretário foi acusado de ter violado o equipamento em 92 duas vezes durante dois meses.

Após ser solto no dia 11 de maio deste ano, ficando em torno de 150 dias no Centro de Custódia de Cuiabá, Eder Moraes ainda corria o risco de voltar a ser preso, já que o Ministério Público Federal fez um pedido de reanálise do uso do equipamento.

A decisão do ministro Dias Toffoli em conceder o HC foi por causa das falhas na fiscalização das tornozeleiras eletrônicas apontadas pela defesa do ex-secretário.

NOVA PRISÃO

O ex-secretário voltou a ser preso pela Polícia Federal nesta sexta-feira (3) por volta das 6h em sua residência.

Eder está, neste momento, na seda da Polícia Federal.

Segundo Spinelli, Eder ainda não foi levado ao Centro de Custódia de Cuiabá em virtude da greve dos agentes penitenciários, que aderiram à greve geral que acontece no Estado pela não concessão do RGA de 11,28%.

Por volta das 13h30, desta sexta-feira (3),  Eder Moraes deve ter uma audiência com o próprio Jeferson Schneider sobre a acusação de lavagem de dinheiro em compra de imóveis. Situação que teria sido descoberta durante uma das fases da Operação Ararath.

O ex-secretário é considerado o principal alvo das várias fases da Operação Ararath.

Esta é a quinta prisão preventiva decretada pela Justiça Federal de Mato Grosso, apenas uma delas foi dada pelo Supremo Tribunal Federal.

Éder Moraes é suspeito de liderar um esquema de desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro através de “bancos clandestinos”.

Em novembro do ano passado, Eder Moraes foi condenado a 69 anos de prisão, em regime fechado, pelo juiz Jeferson Schneider, por lavagem de dinheiro, falsificação de documentos, além de outros crimes.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *