SEXTA-FEIRA DO HORROR

Saldo do terror: ônibus, moto incendiados, arrastão e atentado à bala contra agente

A informação ainda não é oficial por parte da Secretaria de Segurança Pública, mas o saldo da noite desta sexta-feira (10) de terror foi de que quatro ônibus, uma moto e um carro foram incendiados, um agente prisional sofreu atentado à bala, e um arrastão em uma faculdade particular teriam ocorridos em Cuiabá e Várzea Grande.

Em frente ao shopping Três Américas, o ataque aconteceu em uma moto.

Porém, o objetivo dos criminosos era que as outras, que estavam estacionadas ao lado, também fossem atingidas.

3f5c5280-716c-45ca-a71b-1963d5bcdcf5

Situação da moto após ter sido alvo de criminosos na noite dessa sexta-feira (10). Foto: Divulgação

ATAQUES A ÔNIBUS

O primeiro ônibus a ser incendiado foi na Avenida General Melo, já perto do Praerinho.

O segundo ônibus também teria sido incendiado, desta vez, no bairro Jardim Vitória, e um terceiro no Unipark, em Várzea Grande, pertencente à empresa União Transportes.

Este foi o primeiro caso de ataque a ônibus, que aconteceu no Praeirinho.

A Associação Matogrossense dos Transportadores Urbanos (MTU) que representa as empresas concessionárias do serviço de transporte coletivo de passageiros, nos municípios de Cuiabá, Várzea Grande, confirmou, via assessoria de imprensa, que somente 4 ônibus foram alvos.

Por conta disso, as empresas de transporte coletivo recolheram os ônibus, temendo novas represálias.

O carro teria sido incendiado no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande.

A onda de ataques teria partido de dentro do Presídio Central do Estado (PCE).

Duas pessoas foram presas acusadas de mandar incendiar os veículos.

Uma das lideranças desses ataques foi tirada de dentro do PCE e encaminhada para prestar declarações, a outra, que teria participado do incêndio a um ônibus no Pedra 90 também foi presa.

preso

Suspeito de participar de ataque a ônibus no Pedra 90 é preso pela PM. Foto: Divulgação

ARRASTÃO EM FACULDADE

A Polícia Militar ainda registrou o assalto em oito estudantes de uma faculdade particular, na Avenida da Prainha.

Numa espécie de arrastão, os assaltantes abordaram o grupo de universitários.

Com receio de serem vítimas, os outros alunos só deixaram a faculdade após a presença da polícia.

AGENTE PRISIONAL É ALVO

Um agente prisional sofreu um atentado quando chegava na residência dele.

Segundo o presidente do Sindicato dos Agentes Prisionais, o servidor participava de uma reunião na sede do Sindicato, e assim que terminou o evento e se deslocou para casa.

Assim que chegava na residência, no bairro do Carumbé, homens armados fizeram disparos que atingiram o seu veículo.

O agente não foi atingido.

carro do agente
Carro alvejado de balas seria do agente prisional. Foto: Divulgação

AÇÃO DO GOVERNO

Após os ataques em ônibus e agente prisional desta noite de sexta-feira (10), o Governo enviou nota informando quais os procedimentos estão sendo tomados pela área da Segurança Pública.

O secretário de Segurança Pública do Estado, Rogers Jarbas, gravou áudio para tentar tranquilizar a população.

O Governo de Mato Grosso informa que está investigando a origem dos ataques a dois ônibus do sistema de transporte coletivo ocorridos na noite desta sexta-feira (10.06), em Cuiabá.

Informa ainda que o policiamento na capital e em Várzea Grande foi reforçado em função dos ataques e que este reforço do policiamento será estendido durante todo o fim de semana.

A polícia investiga se os ataques seriam uma retaliação às consequências da greve dos servidores do Sindicato dos Servidores Penitenciários de Mato Grosso (Sindspen-MT), que provocou a interrupção das visitas nos presídios e do banho de sol dos detentos.

Desde o começo da semana, familiares dos detentos estão alertando para uma possível rebelião e chegaram a bloquear o tráfego em uma rodovia para reivindicar o retorno das atividades nos presídios.

Mesmo com a ilegalidade da greve, decretada pelo desembargador Alberto Ferreira de Souza no dia 03 de junho, sob pena de multa diária de R$ 100 mil, a categoria não interrompeu a paralisação.

SITUAÇÃO DOS PRESÍDIOS

O presidente dos agentes prisionais de Mato Grosso, João Batista, em conversa com Mato Grosso Mais, revelou, no dia 3 de junho,  que haveria risco de rebeliões em unidades prisionais do Estado.

A situação provocadas pelos ataques à noite nesta sexta-feira (10) começaram ainda de manhã com o clima tenso no Presídio Central do Estado onde os familiares e amigos de detentos não puderam entrar na unidade para fazer visita.

A situação de risco é revelada porque os cerca de 3 mil servidores estão em greve geral por conta da não concessão da RGA de 11,28% por parte do Governo.

Segundo Batista, o Estado conta hoje com 59 unidades prisionais e 12 mil detentos.

Por causa da greve, os presídios não terão mais visitas, enquanto durar o movimento grevista.

De acordo com o presidente, o primeiro dia de visita suspenso foi na última terça-feira, dia que começou a paralisação geral.

Para este fim de semana, os presídios de todo Estado não devem ter visita.

PROPOSTA NO LIMITE

Em várias reuniões com o Fórum Sindical, o Governo de Mato Grosso apresentou nova proposta de pagamento do Reajuste Anual Geral (RGA) aos servidores públicos.

Considerando a crise econômica que afeta o país e o Estado, o governo propôs recomposição de 6%, sem retroatividade, em três parcelas: 2% em setembro, 2% em janeiro de 2017 e 2% em março de 2017.

A proposta anterior oferecida pelo Governo do Estado era de pagamento de 2% em setembro e 3% em janeiro. Já os sindicatos cobram o pagamento integral da recomposição, de 11,28%.

13 Sindicatos e Associações tiveram a greve suspensa por determinação da Justiça, mesmo assim, alguns órgãos alegaram que vão recorrer da decisão e manter a paralisação.

Veja Mais

Um comentário em “Saldo do terror: ônibus, moto incendiados, arrastão e atentado à bala contra agente”

  1. joaoderondonopolis disse:

    Pior governo de todos os tempos, também em segurança.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *