https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/07/dante-de-oliveira.jpg

MEMÓRIA

Dez anos sem Dante: deputado destaca trajetória do autor das Diretas-Já

Há dez anos, em 6 de julho de 2006, morria em Cuiabá o ex-governador Dante de Oliveira.

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) destaca a importância do político, que tem em sua trajetória a relatoria da emenda que propunha eleição direta para a Presidência da República.

“Era um cidadão inquieto, sempre indignado com as injustiças, agia politicamente, dava a sua contribuição, era apaixonado por Mato Grosso. Dez anos sem Dante, muita saudade. Ele faz muita falta ao estado e ao Brasil”, disse.

“Dante chegou precocemente a uma maturidade que poucos políticos chegam na vida pública. Quando tinha problemas na Prefeitura de Cuiabá, eu ia tomar um café com ele e em 30 segundos ele me aconselhava e dava tudo certo. Dante tinha experiência, por ter sido ministro, governador, prefeito, deputado estadual e federal”, completa.

Segundo Wilson Santos, a trajetória política de Dante começou no Movimento Revolucionário Oito de Outubro, o MR-8.

“Dante foi cursar faculdade no Rio de Janeiro, engenharia civil, onde conhece o movimento estudantil. Participou dos movimentos clandestinos e se filiou no MR-8. De volta para Mato Grosso, em 1975, engenheiro formado, montou uma sociedade com seu primo Aluísio Arruda, conhecido como Macaco, e Geraldo Prado. Constrói uma empresa chamada Gemada: Geraldo, Macaco e Dante”.

Ainda conforme o parlamentar, o sangue político estava nas veias de Dante. “Ele filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro, o MDB, pelo qual, em 1976, disputa as eleições à Câmara Municipal de Cuiabá, porém é derrotado, fica como segundo suplente do MDB”.

Em 1978, o ex-governador foi eleito deputado estadual. Rompeu com o MR-8 em 1982, ano em que foi eleito deputado federal. Dante ficou conhecido à época das “Diretas Já” pela emenda constitucional que levou seu nome e propunha eleições diretas para Presidência da República em 1985.

Graças ao prestígio obtido com as Diretas, tomou posse como prefeito de Cuiabá em 1986, pelo PMDB.

Já em 1992, pelo PDT, ele vai à reeleição. Em 1995, ele toma posse como governador do Estado.

Em 1998, filiado ao PSDB, ele é reeleito. Em 2002, tenta o Senado, mas não consegue se eleger.

“No período republicano, na minha concepção de professor de História, Dante foi o governante mais destacado, o que teve a melhor visão de Estado para Mato Grosso, aquele que teve coragem de reformar o estado mato-grossense, que entendeu, absorveu e compreendeu o momento que o país atravessava”, ressaltou.

“Ele teve coragem, mesmo pagando um preço muito caro de impopularidade. Essa é a diferença daquele que faz o populismo, daquele que é estadista”, concluiu Wilson Santos.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *