https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/10/tcemt-e1505396134463.jpg

SERVIDORES DA EDUCAÇÃO

Conselheiro proíbe Seduc descontar Previdência sobre horas extras

Divulgação

O conselheiro Sérgio Ricardo determinou à Secretaria de Estado de Educação que suspenda a cobrança de descontos previdenciários sobre horas extras de servidores e professores que exercem funções gratificadas.

Isso porque os valores descontados não entram no cálculo dos proventos, como denunciou a professora aposentada da rede pública estadual, Iza Aparecida Saliés.

A decisão do Processo nº 15.384-2/2015 foi publicada no Diário Oficial de Contas de ontem (07.07).

Em decisão monocrática, o conselheiro afirmou que a manutenção da cobrança pode trazer prejuízos irreparáveis aos servidores, que continuariam sendo lesados em seus direitos, e também aos cofres do governo, caso fique estabelecido, em decisão de mérito, que o Estado deve restituir os valores descontados irregularmente, com juros e correção monetária.

A jornada de trabalho dos professores da rede pública estadual é de 30 horas semanais.

Mas em 2001, com a aprovação da Lei nº 7.573/2001, foram criadas funções gratificadas de dedicação exclusiva, com jornada de 40 horas semanais.

Muitos servidores e professores optaram pela jornada de trabalho estendida, para incrementar a remuneração, e passaram a ter desconto previdenciário sobre a diferença.

Em sua defesa, o então secretário de Educação, Permínio Pinto Filho, argumentou que as horas extras trabalhadas não podem ser computadas para o cálculo da aposentadoria dos professores em razão da expressa vedação legal disciplinada na Lei Estadual nº 7.573/2001 (alterada pela Lei 7.689/2002)

Veja Mais

Um comentário em “Conselheiro proíbe Seduc descontar Previdência sobre horas extras”

  1. Vlademir alves de souza disse:

    Mais o governo fez o desconto mesmo assim esse mes.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *