https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/05/perminio-pinto.jpg

LIBERDADE NO STJ

Acusado de liderar esquema, Permínio tenta HC

Divulgação

A defesa do ex-secretário de Educação de Mato Grosso – Permínio Pinto (PSDB) – entrou com um novo pedido de liberdade junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para derrubar a sua prisão preventiva decorrente da ação penal da Operação Rêmora (segunda fase).

Permínio Pinto está preso desde o dia 20 de julho no Centro de Custódia de Cuiabá acusado de ser líder de um suposto esquema que teria ocorrido dentro da Seduc em suspeita de direcionamento e fraudes em licitações para reformas e ampliações de unidades escolares.

24 pessoas já foram denunciadas por envolvimento no suposto esquema, em tese arquitetado para a cobrança de propina dos contratados.

Permínio Pinto foi denunciado pelos crimes de organização criminosa, concussão e fraude a licitação.

Entre os pontos apontados no aditamento na denúncia, que demonstram a participação do ex-secretário de Estado de Educação, Permínio Pinto Filho, no esquema, está o fato dele ter participado de uma reunião com o núcleo de servidores integrantes da organização no Edifício Avant Garde Business, em agosto do ano passado.

Depoimentos colhidos pelo Gaeco também revelam o envolvimento do ex-secretário.

Segundo o Gaeco, o escritório “visitado” pelo ex-secretário funcionava como a sede da sociedade secreta , onde o centro de comando da organização estava instalado.

“Era o local físico onde os objetivos e planos de ação do grupo criminoso eram traçados, onde as eventuais intempéries surgidas eram resolvidas”, revelou o Gaeco.

Permínio já teve algumas derrotas jurídicas para tentar se livrar da prisão.

O pedido será analisado pelo ministro Nefi Cordeiro.

Além do ex-secretário, estão presos preventivamente o ex-assessor especial da Secretaria de Educação, Fábio Frigeri e o ex-superintendente de Infraestrutura Escolar, Wander Luiz dos Reis.

Moisés Dias, outro suspeito do esquema de corrupção,conseguiu ser posto em liberdade.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *