https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/10/GREVE.jpg

REIVINDICAÇÕES

Greve cresce entre bancários e atinge 220 agências em Mato Grosso

Em Mato Grosso, a greve nacional dos bancários cresceu nesta quinta-feira (08.09), agora são mais de 219  agências fechadas.

Além de Cuiabá e Várzea Grande, a greve avança em várias cidades do interior: Barra do Bugres; Cáceres; Rio Branco; Lucas Do Rio Verde; Nobres; Araputanga;  Sorriso; Nova Olímpia; Nova Mutum; Pontes e Lacerda, completam os 84 municípios com agências paralisadas no Estado.

O presidente do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso (SEEB/MT) e um dos coordenadores do Comando Nacional dos Bancários, Clodoaldo Barbosa, viajou para participar da mesa de negociação marcada pela da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), nesta terça (09.09), às 11 horas, em São Paulo.

“Vamos reafirmar na mesa de negociação que só voltaremos ao trabalho com uma proposta justa que garanta ganho real e a certeza de melhores condições de trabalho”, afirma.

A greve nacional é a resposta da categoria à proposta desrespeitosa Fenaban, apresentada no dia final de agosto, de reajuste de 6,5% no salário, na PLR e nos auxílios refeição, alimentação, creche, e abono de R$ 3 mil.

A proposta  não cobre, sequer, a inflação do período, projetada em 9,57% para agosto deste ano e representa perdas de 2,8% para os bancários.

Com data-base em 1º de setembro, a pauta de reivindicações dos bancários foi entregue aos bancos no dia 9 de agosto, já foram cinco rodadas de negociação, mas até agora a Fenaban não apresentou uma proposta decente aos trabalhadores.

Entre as reivindicações estão reposição da inflação do período mais 5% de aumento real, valorização do piso salarial, no valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$3.940,24 em junho), PLR de três salários mais R$ 8.317,90, combate às metas abusivas, ao assédio moral e sexual, fim da terceirização, mais segurança, melhores condições de trabalho.

A defesa do emprego também é prioridade, assim como a proteção das empresas públicas e dos direitos da classe trabalhadora.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *