https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/08/343152-e1530208055391.jpg

HÁ DOIS MESES

GCCO sabia que juíza era alvo de ameaça de morte

Divulgação

O delegado titutar do Grupo de Combate ao Crime Organização (GCCO), Flávio Stringuetta, já sabia há dois meses, antes da realização da Operação Castelo de Areia, que a juíza Selma Arruda Santos era, supostamente, ameaçada de morte pelo ex-vereador de Cuiabá, João Emanuel.

Em entrevista ao Mato Grosso Mais, na manhã desta segunda-feira (12), Stringuetta disse que a investigação do GCCO começou quando a própria magistrada procurou o Grupo para investigar se a informação teria veracidade.

Segundo o GCCO, um detento, preso no Presídio Central do Estado, ligado à cadeia de comando do Comando Vermelho foi ouvido pelo delegado.

Após a conversa com o preso, o ex-vereador teria então procurado o delegado Flávio Stringuetta para falar sobre o assunto.

João Emanuel negou que teria um plano para executar a juíza Selma Rosane Arruda.

O empresário W. D. M., alvo da Operação Castelo de Areia, contou, em depoimento à polícia, que o ex-vereador João Emanuel Moreira Lima teria supostos planos para matar a juíza Selma Arruda, da Vara Contra o Crime Organizado da Capital.

De acordo com a declaração do empresário, o homem que seria supostamente contratado para matar a magistrada seria o Sandro Louco, líder do Comando Vermelho na Capital.

O motivo do plano para dar fim à vida de Selma é porque ela, segundo o empresário, estaria prejudicando ‘os negócios’ de João Emanuel.

O empresário ainda relatou que tinha conhecimento de que João Emanuel tinha proximidade da organização criminosa e que, após ser preso no dia 29 de agosto, recebeu um recado do Comando Vermelho, escrito “Salve”.

O empresário entendeu aquilo como um recado, ou seja, que não era para ele falar nada no interrogatório que pudesse prejudicar o ex-vereador.

O advogado Lázaro Roberto Moreira Lima, que também é irmão de João Emanuel, em depoimento à imprensa, classificou de absurda e totalmente descabida a acusação feita pelo empresário W. D. J. de que o ex-vereador e advogado João Emanuel, estaria mantendo contato com membros do Comando Vermelho para assassinar a juíza da 7ª Vara Criminal, Selma Rosane Arruda.

“Essa acusação não tem cabimento algum. Esse homem é um bandido que nos contratou como advogados e não pagou os honorários advocatícios. Ele nos enganou a todo momento e agora faz essa acusação sem fundamento algum para livrar a esposa dele que é sócia majoritária e está envolvida nos golpes financeiros”, declarou Lázaro.

“Castelo de Areia”

A operação Castelo de Areia foi deflagrada no dia 26 de Agosto pela Polícia Civil, que apura crimes de estelionato supostamente praticados por uma empresa de Cuiabá em todo MT. O prejuízo, segundo levantamento da polícia, passa dos R$ 50 milhões.

Entre os alvos está o ex-vereador João Emanuel Moreira Lima, apontado como líder do suposto esquema.

36

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *