https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/09/CANDIDATOS-EMPATADOS.jpg

ELEIÇÃO EM CUIABÁ

Emanuel Pinheiro deve R$ 1,43 milhão, Wilson Santos, R$ 775 mil, e procurador não teve gastos

Os candidatos a prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (PMDB) e Wilson Santos (PSDB) estão operando suas campanhas eleitorais com déficit financeiro, quando a despesa supera o volume de recursos arrecadados.

De acordo com o sistema divulga cand2016 do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o peemedebista arrecadou R$ 762.898,87 enquanto as despesas contratadas atingem R$ 2.019.930,00.

Apesar disso, apenas R$ 584.253,35 correspondem às despesas pagas. Hoje, a despesa de campanha de Emanuel Pinheiro a ser paga já soma R$ 1,43 milhão.

Do montante arrecadado, R$ 622 mil são resultados de transferências financeiras feitas por partidos e R$ 140.898,67, de doações de pessoas físicas.

O candidato do PSDB, Wilson Santos, também gastou mais do que arrecadou, porém em menor proporção.

Suas doações correspondem a R$ 396.800,00 e as despesas, R$ 1,171 milhão. A dívida de campanha é hoje de R$ 775 mil.

As doações de partidos totalizam R$ 300 mil e outros R$ 96,800 mil são de pessoas físicas.

A candidata Serys Slhessarenko (PRB) também opera com déficit, mas em menor proporção comparado aos seus adversários. Houve R$ 290 mil em doação de partidos e R$ 7.780,00 de despesas.

Estreante na disputa eleitoral, o candidato Julier Sebastião da Silva (PDT) arrecadou R$ 446.220,12 mil e tem R$ 217.159,45 mil em despesas contratadas.

De recursos próprios, Julier investiu R$ 160.580 mil. Outros R$ 185.640,12 mil são de pessoas físicas e R$ 100 mil de doações de partidos.

O procurador Mauro (Psol) informou à Justiça Eleitoral ter recebido R$ 108,2 mil de transferências do partido, mas ainda não consta nenhuma despesa.

O candidato Renato Santana (Rede Sustentabilidade) registrou R$ 7.932,00 de arrecadação e R$ 5.261,00 em despesas.

De acordo com estimativa do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que levou em consideração dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a campanha para prefeito de Cuiabá tem o gasto total avaliado em R$ 9,004 milhões para cada candidato.

No segundo turno, o montante está estipulado em R$ 2,701 milhões.

A baixa na arrecadação de recursos comparada às eleições anteriores se deve à mudança na legislação eleitoral.

As eleições municipais de 2016 são a primeira na qual vigora a proibição do financiamento privado de campanha após ser julgado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

As doações se restringem a transferências financeiras de partidos e doações de pessoas físicas desde que não ultrapasse o montante de 10% do valor da última declaração do Imposto Renda entregue à Receita Federal.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *