https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/09/SENERI-PALUDO.jpg

COFRE VAZIO

Estado diz que folha de pagamento cresceu cinco vezes mais que arrecadação com ICMS

Secretário de Desenvolvimento Econômico, Seneri Paludo. Foto: Chico Valdiner

A folha de pagamento dos servidores públicos do Estado de Mato Grosso aumentou em 15% no primeiro semestre de 2016.

No mesmo período, a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) aferiu aumento de 3% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e houve diminuição de repasses federais.

O secretário de Estado de Fazenda, Seneri Paludo, destacou que o Governo de Mato Grosso cumpriu com as leis de carreira dos servidores efetivos, mesmo com as medidas para que o Poder Executivo se enquadrasse nos limites de gastos com pessoal previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Seneri lembra, por exemplo, o aumento de 7% aos professores e demais profissionais da Educação, que até o fim do ano somará um valor de R$ 71.139.204,62.

Os servidores da Polícia Judiciária Civil tiveram os salários elevados em 10% desde fevereiro, com impacto de R$ 45.937.545,45 até dezembro de 2016.

Outras três carreiras também já receberam aumentos salariais que estavam previstos em lei: Atividade Fundiária, Defesa Agropecuária e Polícia Técnica.

No caso das carreiras da Atividade Agropecuária e de Defesa Agropecuária, os acréscimos salariais foram de 9,6% para os cargos de Nível Superior e 17,5% para Nível Médio e Auxiliar, sendo alcançados todos os servidores da área. De maio até o fim do ano o impacto será de R$ 10.073.067,40.

Já para a carreira da Polícia Técnica, que envolve peritos criminais, papiloscopistas e técnicos de necropsia, o aumento salarial concedido em maio foi de 7,5%, com um impacto na folha salarial do Estado de R$ 6.413.48,85 até dezembro.

Seneri destaca ainda que o gasto com pessoal deve continuar crescendo porque o Estado paga, neste mês de setembro, a primeira parcela (2%) da correção inflacionária.

“A receita não vem crescendo no mesmo ritmo que o gasto com pessoal. Ao mesmo tempo, os repasses federais também diminuíram.

Na saúde, por exemplo, nós tivermos uma redução de repasses federais na ordem de 15% no primeiro semestre”, comentou.

Para fazer frente à diminuição de repasses da União, Seneri comenta que o Estado contingenciou o orçamento.

Com isso, a Sefaz tem dado prioridade às ações das secretarias de Saúde, Segurança e Educação.

Nas três pastas o governo tem suplementado o orçamento para garantir a continuidade dos serviços e a realização de investimentos.

Aumento das despesas

Por conta da crise econômica nacional, diminuição dos repasses federais e pagamento da oitava parcela da dívida dolarizada, o Governo de Mato Grosso anunciou na semana passada que pagará no próximo dia 30 o salário do mês de setembro a 90% dos servidores do Poder Executivo.

Os outros 10% serão pagos até o dia 10 de outubro, conforme prevê a Constituição Estadual.

Dentro do mês serão pagos os servidores que recebem até R$ 6 mil líquidos e os que recebem acima desse valor receberão até o dia 10.

O 13º salário dos servidores efetivos que fazem aniversário no mês de setembro será quitado até o dia 15 de outubro.

Para regularizar o calendário de pagamento o governador Pedro Taques cobra da União o repasse de cerca de R$ 400 milhões referentes ao Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações (FEX).

Do total, 25% serão repassados as prefeituras dos 141 municípios de Mato Grosso.

O valor é uma compensação pelo imposto que o Estado deixa de cobrar por produtos in natura produzidos em Mato Grosso e destinado à exportação.

A isenção do imposto e a compensação pela não cobrança estão previstas na Lei Kandir.

Veja Mais

Um comentário em “Estado diz que folha de pagamento cresceu cinco vezes mais que arrecadação com ICMS”

  1. Tristão disse:

    Uai governador contrata mais cinco mil funcionários sem planejamento.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *