https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2015/10/pinheiro-e-wilson.jpg

ELEIÇÃO EM CUIABÁ

Juízes proíbem que Emanuel divulgue vídeos que denigrem imagem de Wilson

O juiz eleitoral da 37ª Zona Eleitoral de Cuiabá, João Alberto Menna Barreto Duarte, acatou o pedido da Coligação “Dante de Oliveira” e proibiu imediatamente a divulgação do vídeo do candidato Emanuel Pinheiro, em que ele acusa Wilson Santos (PSDB) de ter participado de atos de corrupção na “Operação Pacenas”. A operação, realizada em 2009, foi anulada pela Justiça em virtude da falta de provas.

O material foi veiculado por Emanuel Pinheiro durante o horário eleitoral no rádio e na TV. Wilson ingressou com uma representação eleitoral nesta terça-feira (27), após considerá-lo irregular e conter informações grosseiras e inverdades.

Conforme trecho da decisão, o juiz reafirma o fato de as inserções estarem sendo utilizadas apenas para denegrir a imagem de Wilson.

“Não fora apenas isso, constata-se também que na indigitada propaganda por inserções a Coligação representada vale-se de notícias divulgadas em periódicos impressos ou em sítios de periódicos mantidos por empresas de comunicação na rede mundial de computadores, as quais degradam o candidato da Coligação DANTE DE OLIVEIRA na medida em que difundem, no horário eleitoral gratuito, notícias que são claramente ofensivas à sua reputação”, diz.

Caso a decisão seja descumprida, o candidato Emanuel Pinheiro terá que pagar multa diária de no valor de R$ 10 mil, com reversão ao fundo partidário.

Em outra decisão, a juíza da 54ª Zona Eleitoral, Maria Rosi de Meira Borba, acatou o pedido de outra representação ingressada por Wilson nesta quarta-feira (28) para que a coligação de Emanuel Pinheiro deixe de veicular o programa eleitoral que se refere à propaganda que diz que “Improbidade é Crime”.

No documento, Wilson denuncia o uso de recursos e truques para a informação de que ele teria afirmado, de forma equivocada, em seu programa, que improbidade administrativa não é crime, conforme apresentado no programa eleitoral do próprio Emanuel.

Em sua decisão, a juíza aponta que a coligação representada infringiu a legislação eleitoral, com o objetivo precípuo de degradar e ridicularizar Wilson Santos, veiculando informação equivocada.

“Após analisar a propaganda eleitoral veiculada pela Coligação, ora Representada, estou convencida da ocorrência deliberada de trucagem e montagem, com o objetivo precípuo de expor, de forma degradante, o Candidato da Coligação Representante”, escreveu a juíza.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *