https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/10/silval.jpg

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Silval, Arnaldo Alves e Chico Lima serão ouvidos em audiência da Seven

Divulgação

O ex-governador Silval Barbosa (PMDB), o ex-secretário Arnaldo Alves e o ex-procurador Chico Lima devem ser ouvidos no início da tarde desta segunda-feira (3) em audiência de instrução e julgamento em decorrência da Operação Seven.

Arnaldo Alves e Chico Lima foram presos na semana passada em decorrência da quarta fase da Operação Sodoma.

Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, procurador de Estado aposentado, foi preso por mandado preventivo no Rio  de Janeiro (RJ), por policiais da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco).

Já Arnaldo Alves foi preso em Brasília.

OPERAÇÃO SEVEN

A operação Seven, desencadeada no início de fevereiro deste ano, pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), resultou no cumprimento de novo pedido de prisão contra o ex-governador do Estado, Silval Barbosa (PMDB), e do ex-chefe da casa civil Pedro Nadaf (PR).

Foram também decretadas pela Justiça a prisão preventiva do ex-Presidente do Intermat, Afonso Dalberto, e do Coronel José de Jesus Nunes Cordeiro (ex Secretário Adjunto da antiga SAD).

O médico Filinto Correa da Costa, de 73 anos, também foi alvo de mandado de busca e apreensão e teve decretado pela Justiça o uso de tornozeleiras eletrônicas.

Filinto era o proprietário da área que teria sido comprada duas vezes pelo Governo do Estado de Mato Grosso.

De acordo com o Gaeco, no ano de 2002, o empresário negociou com o Governo do Estado uma área de aproximadamente 3,240 hectares pelo valor de R$1,8 milhões.

Ocorre que, no ano de 2014, 727,931 hectares dessa mesma área foram novamente vendidas ao Governo, dessa vez pelo valor de R$7 milhões.

Para dar legitimidade a transação, o ex -governador, contrariando dispositivos legais expressos, transformou a unidade de conservação do tipo “parque” em unidade de conservação do tipo “Estação Ecológica”. Nesses casos a legislação federal não exige a realização de estudos técnicos ou audiências públicas. O esquema contou com a participação do ex secretário da Casa Civil e do ex presidente do Intermat.

Além dos mandados de busca e apreensão e prisões, também foram realizadas nesta segunda-feira (01.02) conduções coercitivas ao Gaeco de dois servidores da Secretaria de Estado de Meio Ambiente.

Os dois foram responsáveis pela elaboração de pareceres favoráveis a manobra e da minuta de decreto.

Confira aqui e aqui a integra dos pedidos de prisão preventiva e a decisão da Justiça. Com assessoria do MPE

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *