https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/06/cadeia-e1520024193222.jpg

PRISÃO EXPIROU

Acusado de colocar veneno em achocolatado que matou criança é solto

Divulgação

Está solto desde o dia primeiro de outubro, sábado,  Adônis José Negri, de 61 anos.

Ele é acusado pela Polícia Civil de ter colocado veneno em um achocolatado, que acabou provocando a morte de uma criança de dois anos em Cuiabá.

O comerciante foi solto após expirar o prazo da sua prisão temporária.

A Delegacia Especializada de Defesa da Criança (Deddica) chegou a pedir a conversão da prisão temporária para preventiva, mas o pedido foi negado pelo juiz Jurandir Florêncio de Castilho, da 14ª Vara Criminal de Cuiabá.

O comerciante estava preso desde o dia 1º de setembro.

No dia 12 de setembro, o juiz pediu a transferência de Adônis, que estava preso no Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), para o Centro de Custódia da Capital (CCC).

O motivo da transferência seria o “zelo pela sua integridade física”.

O caso corre em segredo de Justiça.

“Revoltado com os constantes arrombamentos à sua residência, Adônis arquitetou a vingança fazendo uso de uma seringa para injetar o veneno nas bebidas, para deixar como uma espécie de isca para Deuel de Rezende Soares, 27 anos. Ocorre que Deuel não fez uso do produto, mas vendeu o produto ao pai do menino envenenado, pelo valor de R$ 10”, explica o delegado titular da Deddica, Eduardo Botelho.

Adônis foi autuado por homicídio qualificado com emprego de veneno, além de homicídio tentado em razão de um amigo da família do menino ter ingerido o produto e ter sido internado em unidade hospitalar.

Deuel vai responder por furto qualificado, e o procedimento investigativo será conduzido pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf), de Cuiabá. Com Midianews

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *