https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/09/PRISÃO-DE-ARNALDO.jpg

QUARTA FASE DA SODOMA

Tribunal de Justiça nega hc e mantém ex-secretário de Planejamento no Centro de Custódia

O desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Alberto Ferreira de Souza,  negou habeas corpus ao ex-secretário de Planejamento da gestão Silval Barbosa (PMDB), Arnaldo Alves de Souza.

O ex-gestor está preso desde 26 de setembro no Centro de Custódia de Cuiabá, em decorrência da quarta fase da Operação Sodoma, realizada pela Delegacia Fazendária do Estado.

O magistrado também solicitou informações da juíza Selma Rosane Arruda para ter conhecimento do estado de saúde do preso com possibilidade do cumprimento da prisão preventiva em casa.

O foco da Operação Sodoma  é o desvio de dinheiro público realizado através de uma das três  desapropriações milionárias  pagas pelo governo Silval Barbosa  durante o ano de 2014. Os trabalhos de investigações iniciaram há mais de um ano.

As diligências realizadas evidenciaram que o pagamento da desapropriação do imóvel conhecido por Jardim Liberdade, localizado nas imediações do Bairro Osmar Cabral, nesta capital, no valor total de R$ 31.715.000,00 à empresa Santorini Empreendimentos Imobiliários Ltda, proprietária do imóvel, se deu pelo propósito específico de desviar dinheiro público do Estado de Mato Grosso em benefício da organização criminosa liderada pelo ex-governador Silval Barbosa.

De todo o valor pago pelo Estado pela desapropriação,  o correspondente a 50%, ou seja, R$ 15.857.000,00 retornaram via empresa SF Assessoria e Organização de Eventos, de Propriedade de Filinto Muller em prol do grupo criminoso.

De acordo com a investigação, a maior parte do dinheiro desviado no montante de R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais)  pertencia ao chefe Silval Barbosa, ao passo que o remanescente foi dividido entre os demais participantes, no caso os ex-secretários, Pedro Nadaf, Marcel De Cursi (ex-secretário de fazenda), Arnaldo Alves de Souza Neto (ex-secretário de Planejamento), Afonso Dalberto e o procurador aposentado Chico Lima. Com assessoria

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *