https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2016/09/EMANUEL-E-WILSON.jpg

PROPAGANDA ELEITORAL

Juiz barra tentativa de Wilson e autoriza Emanuel usar áudio de Elias Santos

O juiz João Alberto Menna Barreto Duarte, da 37ª Zona Eleitoral, barrou a tentativa do candidato Wilson Santos (PSDB) que queria proibir que o áudio em que o próprio irmão faz coação contra servidores públicos fosse divulgado aos eleitores. O áudio foi exibido no programa eleitoral do candidato a prefeito por Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), no dia de ontem (20), após toda a imprensa já ter noticiado o fato.

O magistrado ainda afirmou que a “propaganda eleitoral combatida não tem por fito degradar, sendo, ao invés, mais informativa do que encerra qualquer outra consequência, quanto menos a sugeridas pelos ora representantes (Coligação Dante de Oliveira e Wilson Santos), o que se afirma num exame superficial dos fatos, dado os elementos até então produzidos nos autos”.

Na avaliação do juiz, “não se há de afirmar que o candidato Emanuel Pinheiro tenha imputado aos representantes a prática de crime eleitoral, retratando, isso sim, o uso de locução de larga utilização no meio político quando se pretende lançar mão de argumento contundente”.

Ainda segundo João Menna, “o ensejo às discussões advindas do fato em comento foi provocado por Elias Santos, irmão do candidato da Coligação Dante de Oliveira, fato esse amplamente divulgado nos veículos de comunicação”.

Na decisão, que foi em sede de liminar e proferida na tarde de ontem, o magistrado ainda lembra que por causa do áudio e pelo fato da reunião ter sido mesmo agendada pela coligação, o resultado foi a demissão de Elias Santos, irmão do candidato, do cargo que exercia na Metamat.

“O que é próprio do jogo político eleitoral não pode ser suprimido dos eleitores, que são ao fim e ao cabo quem irão decidir quem reúne as melhores condições para gerir a simpática Cuiabá, e certamente se está diante de fatos que devem ser submetidos ao crivo dos eleitores, de maneira que nada obsta a que os fatos retratados nesta demanda sejam analisados e valorados pelos cidadãos, para melhor refletir em que candidato votar”, avaliou o magistrado.

Entenda o caso
Elias Santos, até então presidente da Metamat, órgão do governo estadual, em reunião realizada com servidores, afirmou que o ocupante de cargo comissionado que não fosse em ato político do irmão Wilson Santos teria como punição a exoneração.

O áudio com a coação foi gravado durante a reunião e encaminhado a coligação “Um novo Prefeito. Para uma nova Cuiabá”. A reunião aconteceu na noite de quarta-feira (19) e minutos antes do ato, o governador Pedro Taques exonerou do cargo o irmão de Wilson.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *